O texto de hoje lembra David Bowie, o cantor inglês que nos deixou em 2016. Com a sua morte, sem dúvida, a música perdeu um dos maiores artistas que já teve.  Mas por que está coluna que trata de inovação e empreendedorismo, estaria falando sobre David Bowie?  Simplesmente porque o cantor londrino foi um dos astros mais inovadores que já apareceu no mundo. Um inspirador a vários empreendedores que precisam estar sempre inovando para continuarem competitivos.

Bowie tinha como apelido “Camaleão do Rock”, pela sua capacidade de renovar a imagem. São inúmeros os diferentes cortes e cores no cabelo, assim como a moda utilizada no momento, que vão de terninhos comportados a total psicodelia.  Também inovou o estilo musical. Além do rock, passou pelo pop, punk, soul, blues, jazz, funk e eletrônico.

Assim tem que ser o empreendedor moderno. Ao começar o negócio, no decorrer da caminhada ele encontra vários obstáculos e desafios em sua frente. Muitas vezes, todo o planejamento feito ou o modelo de negócios precisa ser refeito por contingências externas, aperfeiçoamentos internos ou mesmo mudanças completamente de rota.

É comum observar no mercado de startups, as inovações de melhoramentos e aperfeiçoamentos serem implantadas aos poucos. Passo a passo, fase a fase. Como se fosse uma escada. Subindo um degrau de cada vez. Assim que se atingir um nível, você sobe mais um.  Muito normal. Não tem como já começar em determinado patamar desejado, quando não se tem recursos financeiros ou de pessoal para isso. Assim, as empresas lançam o Minimum Viable Product (MVP) e vão melhorando na medida do possível.

Um exemplo global, basta observarem o Facebook. Começou como uma rede social de Harvard em 2004. Só depois passou a aceitar estudantes de outras universidades, depois permitiu cadastros de qualquer pessoa com mais de 13 anos, criou bate papos, possibilidades de inclusão de fotos e vídeos. Tanto que a famosa tecla “curtir”, hoje a cara do Facebook, só foi implantada cinco anos após sua criação. Sem falar que as mudanças têm acontecido até hoje.

Quando se trata da mudança de rota, não se precisa ir muito longe para conseguir um exemplo. A Sambatech, referência de startup em Minas Gerais, iniciou o negócio sendo uma plataforma de joguinhos para celular. Hoje, trata-se de uma empresa respeitada em todo Brasil, quando o assunto é soluções para vídeos online.

Jogando nas onze

Voltando ao David Bowie, entre suas competências, o cara foi cantor, um grande compositor, ator e produtor musical. Ou seja, jogava em várias posições. Prática também muito comum aos empreendedores, principalmente, no início de um negócio.

Nem precisa ser um negócio online não. O dono de uma lanchonete fica no caixa, atende, faz a contabilidade, paga os funcionários e muitas das vezes limpa o estabelecimento.

O proprietário de uma startup também. Além de ter o conhecimento para a operação do negócio, pode ter que trabalhar o comercial, o marketing, a contabilidade. Tem que estar atento a tudo, para assim que o negócio for crescendo, possa ir montando sua equipe e delegando a tarefa.

Under Pression

Para finalizar a relação entre Bowie e as startups, a música Under Pression, um clássico do artista em parceria com a também renomada e inglesa Queen, fala sobre a pressão que todos estão sofrendo nos dias de hoje.

Embora esteja inserida em um mundo de glamour, o que se pode verificar são startups em que pessoas largaram o emprego e colocaram a vida nelas, não decolando. Percebe-se empreendedores à beira de um ataque de nervos. O mercado não perdoa. Como diz a letra “É o terror saber a que ponto chegou o mundo. Observando alguns amigos gritando “deixe me sair’. A insanidade sorri, sob pressão estamos pirando”

A pressão está aí. Por isso, a importância em se trabalhar duro, com profissionalismo e seriedade. Assim, os resultados virão e, com certeza, a pressão diminuirá, fazendo com que “o amanhã me deixe mais animado”, como diz a mesma canção.