Evento aborda usos da modelagem na educação matemática

Já ouviu falar de modelagem na educação matemática?

São atividades que partem de situações reais, cotidianas, e fazem uso de conceitos, teorias e resultados matemáticos para discutir e resolver problemas.

Jussara de Loiola Araújo, professora do Depto. de Matemática da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), explica que, quando pensamos na aplicação dessa metodologia por um matemático profissional, podemos vislumbrar soluções para grandes questões estratégicas e urgentes, como o óleo que avança pelo litoral do Nordest brasileiro:

A modelagem matemática é também uma ferramenta da matemática aplicada. No caso da mancha de óleo que está atingindo as praias do Nordeste, um matemático aplicado poderia ajudar a compreender o movimento desse fluido e, com o apoio de equações diferenciais, ajudar a prever como esse óleo se movimenta.

No exemplo citado, a matemática não trabalha sozinha, mas alinhada aos conhecimentos de geógrafos e químicos, para entender as marés, os ventos, as características dos óleos, etc.

Na educação matemática, outro exemplo viável e recentemente aplicado por uma professora em sala de aula em uma escola municipal fez com que crianças calculassem uma estimativa da quantidade de lama que deveria ser retirada de Brumadinho para que fosse possível realizar o reflorestamento da região.

A professora, que também está vinculada ao Programa de Pós-graduação em Educação da UFMG, alerta que, em sala de aula, há um processo de aprendizagem em andamento e alunos não têm conhecimento aprofundado, mas isso não impede que façam modelagem matemática.

Lidamos com isso de forma diferente. Exemplos mais simples podem considerar a construção de um parquinho na escola. Para as medições, é possível usar o próprio corpo da criança como medida. Com a atividade, pode-se prever o espaço a ser construído, ou mesmo fazer orçamento do material necessário para entregar à escola.

Trata-se, então, de mostrar como a matemática é usada em nossa sociedade em vários setores, destacando sua importância para uma participação cidadã nas tomadas de decisão.

“De modo geral, se não sabemos matemática, ficamos excluídos de importantes decisões da sociedade. Nossa proposta é viabilizar o uso da matemática no dia a dia para que as pessoas vejam que é possível usar o que aprendem para transformar o ambiente ao redor”, conta Jussara.

Esta é uma das tendências mais atuais da Educação Matemática e tem sido vista por professores da Educação Básica como uma importante alternativa para o ensino na área, proporcionando grande protagonismo aos estudantes e estímulo à criatividade.

Entre os dias 14 e 16 de novembro, um evento realizado na Universidade Federal de Minas Gerais vai abordar justamente esta temática.

Ficou interessado? Inscreva-se até dia 14 de novembro na página do evento.

A XI Conferência Nacional sobre Modelagem na Educação Matemática (XI CNMEM) será realizada nas dependências do Instituto de Ciências Exatas (Icex) da UFMG, campus Pampulha.

A temática eleita para esta edição é Modelagem Matemática na Educação Matemática e a Escola Brasileira: atualidades e perspectivas.

O evento é realizado em parceria com Sociedade Brasileira de Educação Matemática (Sbem) e é voltado para professores da Educação Básica ou Ensino Superior.

Na programação há palestras, debates temáticos, minicursos, comunicações científicas e relatos de experiências.

O pré-requisito para participar do evento é saber matemática, e o foco principal são professores de todos os níveis da educação.

Na programação, as Comunicações Científicas e Relatos de Experiência, a serem realizados na sexta e no sábado, reúnem trabalhos de vários níveis de conhecimento matemático e teorias da educação usadas para analisar situações da prática aplicada em sala de aula.

Outro momento interessante é a seção de Entrevistas, que reunirá pesquisadoras da área e educadoras da matemática para pensar soluções para dilemas da prática do ensino da matemática.

Minicursos também são abertos a professores que queiram conhecer a metodologia e modos de usá-la em sala de aula.

Para saber mais:

A programação e demais informações sobre a XI CNMEM estão disponíveis no site: eventos.sbem.com.br/index.php/cnmem/2019.

Acompanhe também pela página no Facebook: www.facebook.com/XICNMEM.

Compartilhe nas redes sociais
0Shares
Tags:

Verônica Soares

Jornalista de ciências, professora de comunicação, pesquisadora da divulgação científica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *