Para quem tem a voz como instrumento de trabalho, como os profissionais de telemarketing, temperatura do ar condicionado e ventilação inadequadas podem estar relacionados ao desenvolvimento de sintomas vocais preocupantes.

Se não tratados, esses sintomas, como voz cansada e rouca ao final do dia, dor de garganta e garganta seca, podendo ocasionar lesões em pregas vocais, tais como nódulos, pólipos, entre outras alterações estruturais.

O tratamento com fonoaudiologia é necessário para recuperar a saúde vocal, mas também é indicado preventivamente, para evitar que os sintomas se manifestem.

Tais informações fazem parte do trabalho de pesquisa de mestrado da fonoaudióloga Nathália Franco Cunha Caldeira, defendido no Programa de Pós-graduação em Ciência Fonoaudiológicas da UFMG, sob a orientação da professora Letícia Caldas Teixeira.

Ela avaliou a autopercepção da voz, sintomas vocais e condições ambientais de trabalho em teleoperadores, os profissionais de telemarketing.

A pesquisa demonstrou que 86% dos teleoperadores apresentaram algum sintoma vocal, mesmo estando satisfeitos com a própria voz.

Resultados da pesquisa

Dentre os participantes, 56% têm entre três e cinco sintomas vocais. A maioria apresenta voz cansada e rouca ao final do dia.

“Comparado a outros estudos, acreditamos que é um valor bem alto”, conta a pesquisadora. “Os aspectos mais frequentes relatados foram garganta seca, voz monótona e dor de garganta”, enumera.

A maioria dos teleoperadores afirmou que o ambiente de trabalho como um todo não é satisfatório. 80% reconheceu que é preciso elevar a voz para falar ao telefone.

Além disso, para cumprir metas, eles não costumam fazer pausas, o que gera grandes prejuízos à saúde vocal.

De acordo com Nathália, a temperatura e a ventilação inadequadas estão relacionadas com alto número de sintomas vocais. Segundo ela, é preciso pensar na promoção da saúde desses trabalhadores.

“Estamos pensando em questões do ambiente, para que esse não favoreça um adoecimento dos teleoperadores. O ideal é pensar em prevenção, para que não seja necessária uma reabilitação futuramente”, sugere a fonoaudióloga.

Outros profissionais também devem cuidar da voz

Professores, jornalistas, cantores, atores de teatro, pastores evangélicos são algumas das profissões e ocupações que devem se preocupar com a saúde da voz, que usam como instrumento de trabalho.

Nathália indica a fonoaudiologia preventiva como um importante instrumento de preservação da saúde vocal, por dar mais consciência sobre a própria voz, trabalhando a preparação e o aquecimento vocal.

“A voz falada, no dia a dia, é usada de maneira diferente de quem usa a voz profissionalmente. Quando falamos, fazemos pausas o tempo todo, já quem trabalha com a voz tende a sobrecarregá-la”, conclui a pesquisadora.