Envelhecimento Ativo: UFMG promove programa de educação física para idosos

Há cerca de 25 anos, a Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EEFFTO) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) se preocupa com a saúde do idoso. Neste ano, endossado por Franco Noce, coordenador do centro de extensão, foi lançado o programa “Envelhecimento Ativo”, que é o resultado da união das iniciativas existentes desde 1992 e que estavam associadas ao projeto “Educação Física para a 3ª Idade”.

[quote align=’right’]

Leia mais

[/quote]

O “Envelhecimento Ativo” tem, aproximadamente, mil alunos, divididos entre 42 turmas. São nove modalidades oferecidas pelo programa, como as ginásticas coletiva, funcional e postural, as danças de salão e livre, a inclusão digital – com aulas de informática e tablet -, a hidroginástica e a natação.

Elas derivaram dos antigos projetos “Educação Física para a 3ª Idade”, “Ginástica Funcional”, “Dança e Qualidade de Vida”, “Atividades Aquáticas” e “Inclusão Digital”.

De acordo com Noce, no endereço eletrônico do projeto, o objetivo do “Envelhecimento Ativo” é “qualificar profissionais numa perspectiva multidisciplinar, cientificamente fundamentada, a fim de promover a melhor satisfação e qualidade de vida para nossos alunos”.

Fonte - Assessoria EEFFTO
Fonte – Assessoria EEFFTO
Idosos dançando - Foto William Araujo
Idosos dançando – Foto William Araujo

Atualmente, o programa abriu portas para o público a partir dos 45 anos, mas também recebe alguns casos de pessoas mais jovens vindas por encaminhamento. Segundo Noce, os bolsistas do projeto são solicitados por instituições externas, o que aumenta as perspectivas e interdisciplinaridade da iniciativa

Com base em análises dos núcleos de pesquisas inerentes ao “Envelhecimento Ativo”, relatou-se na plataforma online do programa que há uma tendência mundial do aumento da expectativa de vida. No projeto, as várias áreas de conhecimento, fazem cerca de 10 mil atendimentos por mês. “Em breve, teremos uma inversão das idades, em que serão mais idosos e menos jovens”, diz Noce.

O projeto atende às diversas classes sociais e as turmas são mistas, todavia existem mais mulheres do que homens no programa. Para se manter, são cobradas semestralidades para o cadastro e permanência dos alunos de acordo com as modalidades pretendidas.

“Os resultados de impacto social são enormes. Primeiro, porque o processo de envelhecimento saudável visa atender não somente ao declínio das capacidades biológicas, que são observadas naturalmente, mas também ao aspecto da saúde mental – a parte cognitiva. Nós também temos associados ao projeto outros profissionais de outras áreas”, afirma Noce.

São estagiários da psicologia, nutrição, e diversas outras frentes no projeto, como os da terapia ocupacional, que desenvolvem, atualmente, uma oficina de memória.

Além disso, Noce ressalta como um reflexo importante do programa “a possibilidade de ressocialização, de vínculos sociais novos e renovados, que tornam as atividades muito prazerosas”. Quando questionado sobre o sentimento que envolve o trabalho com os idosos, o coordenador respondeu: “gratidão”.

Veja mais no vídeo abaixo.

Serviço

  • Horário de funcionamento: segunda-feira a sexta-feira, de 7h às 18h
  • Inscrição: presencial (terças-feiras, de 8h às 11h, e quartas-feiras, de 13h às 16h)
  • Documentos necessários: identidade, CPF, comprovante de residência e atestado médico para práticas de atividades
  • Contato: (031) 3409-7440
  • Endereço: EEFFTO da UFMG, situado na avenida Presidente Carlos Luz, 6627, Belo Horizonte

Mais informações: http://www.envelhecimentoativoufmg.com.br

Para ver mais do Ciência no Ar, acesse o canal do Youtube Minas Faz Ciência.

Compartilhe nas redes sociais
0Shares