Por William Araújo

No dia 11 de outubro, no Centro de Convenções Riocentro, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, a equipe “Milhagem” da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), dos cursos de engenharia, venceu a disputa de eficiência elétrica da competição Shell Eco-Marathon Brasil, que avalia os protótipos de veículos criados por universitários de todo país pelo critério de quantidade de distância percorrida versus consumo de energia. O grupo é coordenado pelo professor Fabrício Pujatti e galgou o primeiro lugar na categoria Bateria Elétrica (carro elétrico).

Prêmio do primeiro lugar na categoria Bateria Elétrica - Shel Eco-Marathon Brasil - Foto - William Araújo

Prêmio do primeiro lugar na categoria Bateria Elétrica – Shel Eco-Marathon Brasil – Foto – William Araújo

A competição

A equipe saiu de Belo Horizonte na noite do domingo de eleições (7) portando dois carros, um elétrico e outro de combustão interna a gasolina. De acordo com Keverson de Almeida Carvalho, estudante de engenharia elétrica e diretor da eletrônica do protótipo elétrico, como os veículos são totalmente desmontáveis, foi possível levá-los em um caminhão simples e com todas as ferramentas da oficina que eram necessárias.

A competição ocorreu em uma pista oval de 750m e similar às usadas pela Associação Nacional de Automobilismo Stock Car (National Association for Stock Car Auto Racing – Nascar). Segundo comunicação do evento, as equipes participantes tiveram três dias para aperfeiçoarem seus veículos, passarem na inspeção técnica e, finalmente, testarem seus protótipos na pista, a fim de obter marcas válidas para entrarem na briga pelo primeiro lugar nas categorias Gasolina, Etanol e Bateria elétrica.

Conforme Rodrigo Fernandes Lara e Guilherme Sávio Nogueira Souza, ambos competidores pela equipe “Milhagem” e alunos da engenharia mecânica, “até a escolha dos pilotos foi calculada com base no peso de cada um, para que o protótipo obtivesse o melhor resultado. Entre as exigências do evento estava a necessidade dos carros terem ao menos 50kg (com o piloto) e percorrerem com a velocidade mínima de 25km/h”.

Quando na pista, o carro de combustão interna a gasolina teve problemas e não conseguiu pontuar. Segundo estudantes, o tempo dedicado ao veículo influenciou no desfecho. Já o protótipo elétrico surpreendeu. Com 37,5kg (sem piloto) e 2,40m de comprimento, aproximadamente, o carro de bateria elétrica rodou pelo circuito com a velocidade média de até 40Km/h e apresentou a maior eficiência energética entre os competidores – 266,4 km/kWh (quilômetros por gasto de quilowatt hora).

Segundo Keverson, foram 14 voltas na pista e, em comparação com medidas externas, a distância percorrida pelo consumo de energia seria equivalente a dizer que uma viagem de Belo Horizonte ao Rio de Janeiro custaria em torno de R$ 1,30, com referência nas tarifas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig).

A “Milhagem” recebeu na cerimônia de premiação um troféu e o valor de R$ 20 mil.

Professor Fabrício Pujatti - UFMG - Foto - William Araújo

Professor Fabrício Pujatti – UFMG – Foto – William Araújo

A equipe

A “Milhagem” tem 13 anos de existência e já obteve resultados melhores em corridas de eficiência. Subiu ao pódio nas três vezes que participou do Shell Eco-Marathon Brasil: foi segundo lugar em 2016, na categoria gasolina, e terceiro lugar em 2017, na categoria bateria elétrica”.  A melhor marca do time em competições é no desempenho de um protótipo de combustão interna a gasolina, que atingiu 598km por litro do combustível – recorde latino-americano.

A equipe é composta por 27 estudantes dos cursos de engenharia elétrica, controle e automação, mecânica e produção da UFMG. Alguns estão, inclusive, nos primeiros períodos acadêmicos. O coordenador da equipe, Fabrício Pujatti, é doutor em engenharia mecânica pela UFMG e atualmente é professor associado do Departamento de Engenharia Mecânica.

Veja abaixo o depoimento dos alunos e coordenador do projeto.