A cada dia que passa surgem novos polos de tecnologia e inovação espalhados pelo mundo. Inspirados principalmente pelo Vale do Silício na Califórnia, esses centros inovadores crescem e ajudam no desenvolvimento da economia local. São startups, projetos ou mesmo ideias que juntas se tornam mais fortes para o crescimento do ecossistema da região. Em Belo Horizonte há o San Pedro Valley, uma comunidade que se iniciou no bairro São Pedro e hoje possui mais de 200 empresas cadastradas, se transformando em um dos polos brasileiros mais importantes relacionados à inovação.

Esse desenvolvimento em Minas Gerais, que fez dele o segundo maior ecossistema de startups do Brasil atrás apenas de São Paulo, não é impulsionado apenas pelo ecossistema da capital mineira. O estado trata-se de uma referência em tecnologia com polos como Santa Rita do Sapucaí, Lavras e Viçosa. Atualmente,  várias outras cidades têm investido em ecossistemas inovadores como Montes Claros, Uberlândia, Varginha, Ipatinga e Pato de Minas. Tanto que na última edição da Feira Internacional de Negócios, Inovação e Tecnologia (Finit), realizado em novembro de 2017 em Belo Horizonte, foram abertos painéis em que esses polos do interior mineiro apresentaram projetos e startups para o público em geral.

“Somos um ecossistema em estágio inicial nascido em 2015. Mas tenho observado o movimento com muito otimismo. Ações de fomento, inspiração e ideação têm resultado em novas empresas nascentes ao longo do ano”, observa Luciano Leão, agente de inovação de Ipatinga no Vale do Aço. Segundo ele, a comunidade local chamada Compartilhar tem conseguido chamar a atenção de grandes empresas da região, instituições e investidores do Vale do Aço.

Para Luciano é de suma importância as empresas se reunirem nesses clusters pois assim aumenta a possibilidade de se desenvolverem juntas. “Muitas dessas startups convivem com o mesmo tipo de necessidade. A que não tem a expertise, pode buscar apoio na outra que tem. A importância está justamente nesse compartilhamento de conhecimento, que resulta em grandes parcerias beneficiando os envolvidos e a região como um todo”, acredita Luciano, citando como destaque a startup LineBus, que oferece um serviço de mobilidade urbana para a população informando os horários de ônibus locais e que já receberam investimentos e contratam mão de obra da região.

Na Finit Luciano confirma que no total cerca de 70 participantes do Vale do Aço estiveram presentes. Além de uma caravana da região, vários outros empreendedores foram por conta própria. Na ocasião, um empreendedor do Vale do Aço palestrou na Campus Party, outro em painéis com agentes de inovação, duas empresas tiveram stands e um grupo de empreendedores de uma faculdade da região ganhou o primeiro lugar em um concurso de robótica da Campus Party.