As universidades mineiras já criaram uma tradição de sucesso em competições internacionais de robótica. Sempre trazem prêmios e medalhas para casa. Recentemente, a equipe Uai!rrior, da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), conquistou três colocações na competição internacional Robogames 2017, que aconteceu no fim de abril, na Califórnia, Estados Unidos.

O robô Beetleweight Ricota conquistou o bronze, enquanto o Federal M.T, a prata da categoria Lightweight, e o General ganhou o ouro, sendo o grande vencedor da categoria Middleweight.

A Robogames é o maior evento mundial de combate entre robôs e ocorre no primeiro semestre de cada ano, reunindo equipes de todo o mundo em disputas de aproximadamente 50 modalidades.

Uai!rrior

Para a Robogames 2017, viajaram 10 estudantes da Unifei. A Lorena Diniz está entre a turma que foi aos EUA

A Lorena Diniz Lima, 21 anos, estudante de engenharia de produção, é componente da equipe Uai!rrior. Além do desafio técnico na montagem dos robôs, a universitária explica que é difícil explicar para as pessoas o trabalho ao qual se dedica.

“Todo mundo fica surpreso porque ninguém entende sobre que tipo de robô estou falando. Associam com o robô com braços e pernas, até eu conseguir explicar que os nossos têm rodas. Tenho que mostrar fotos e vídeos para que entendam. Depois de ver, as pessoas sempre ficam interessadas”.

Estudante trabalhando na preparação do robô Federal M.T

Criada em 2001, a Uai!rrior é formada por um professor coordenador e alunos dos cursos de graduação nas engenharias de Controle e Automação, Mecânica, Elétrica, Computação e Produção, e também do curso de Administração, todos da Unifei. Atualmente, são 35 integrantes, divididos em grupos de Gestão, Visual, Eletrônica e Mecânica. Para a Robogames 2017, viajaram 10 estudantes.

Antes da Robogames, a equipe competiu no Campus Party Brasil, em janeiro. No intervalo entre os dois campeonatos, acertaram detalhes dos robôs e buscaram recursos para viajar aos Estados Unidos. De acordo com Lorena Diniz, faz parte também do trabalho procurar patrocinadores, vender camisetas, entre outras atividades que ajudam a levantar dinheiro para o projeto.

“Estou na equipe desde 2014. O pessoal de fora do país é muito receptivo com os brasileiros. Gostam bastante da nossa animação nas competições, apesar do desafio da língua. Agora estamos nos preparando para o Winter Challenge, em 6 de julho deste ano. Vamos reparar e verificar qualquer erro nos robôs para esta competição nacional”, explica Lorena Diniz.

O intuito do projeto Uai!rrior é criar máquinas para competições de combate entre robôs, em várias modalidades e com diferentes objetivos. Os robôs são desenvolvidos a partir de projetos totalmente elaborados pelos estudantes e supervisionados pelo professor.

Se você tem curiosidade de conhecer os projetos mecânicos da equipe pode ler mais sobre os robôs Macarena, Czar, Ricota, Bacon, Duck, General, Federal M.T., Kippa, Trem Bagunçado, Carrapato, Antônio, Urubu, Cálculos, Jubileu, A Besta, Ufo, Butcher, Docinho, Kako, Crápula, Dragster, Vingador, Neon, Chromus 2.0, Thor, Uai!lligator, Chromus, Uai! e Scorpion.

Trincabotz

Equipe que viajou para a Robogames 2017 e trouxe a primeira medalha internacional Trincabozt

A equipe Trincabotz do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) também teve bons resultados na mesma competição. Os estudantes ganharam uma medalha de bronze, a primeira internacional da equipe, com o robô Zippi, na categoria Sumo Lego 1kg.

Zippi, medalha de bronze na Robogame 2017

Fundada em outubro de 2004, a equipe RobôCEFET-MG, como era inicialmente chamada a Trincabotz,  surgiu da iniciativa de alunos da Engenharia Elétrica e da Engenharia Mecânica, vinculada ao Laboratório Aberto de Ciência, Tecnologia, Educação e Arte (LACTEA).

Dois anos depois, a equipe associou-se ao recém-criado Núcleo de Engenharia Aplicada a Competições (NEAC), incrementando o projeto nos aspectos orçamentários e administrativos.

A equipe cresceu em 2007, quando apresentou em duas feiras o Caveirão, um dos primeiros robôs da turma. Em 2009, participou do Encontro Nacional de Engenharia de Controle e Automação), justamente quando a equipe ganhou um novo nome: Trincabotz.

Hoje, o grupo tem cerca de 20 componentes que se dedicam a projetos mecânicos e eletrônicos, entre eles: Zippi, Batman Jojo Tomahawk, Muzamboy, Orthus, Cérbero, Maroto, Asterion, Sumô e Josefina-Drake. Abaixo o robô Asterion em ação na Robogames 2017 contra Massacrelit: