“Todas as substâncias são venenosas. Não há nenhuma que não seja um veneno. A dose certa é o que diferencia um remédio de um veneno.”

Frase atribuída a Paracelso, médico e físico suíço do século XVI

O estudo do pesquisador Gustavo Menezes, do Departamento de Morfologia do Instituto de Ciências Biológicas (ICB), da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), sobre anti-inflamatórios e reações no organismo, também está envolvido com medidas medicamentosas. De acordo com o cientista e colaboradores, a dosagem e o tempo de uso dos remédios sintomáticos, como o paracetamol e tylenol, caso não sejam corretos, podem causar atraso na reparação tecidual e outra série de complicações. As análises tiveram base na alteração sofrida pelo fígado quando houve superdosagem com as substâncias.

Resposta inflamatória

Menezes explica que a resposta inflamatória, há algumas décadas, era observada como uma doença. O que é um erro. O processo inflamatório é um recurso do organismo que, no interesse de se restabelecer, fomenta o combate a estranhezas no corpo, o que gera sintomas, como dor, edema e febre.

Em informações prestadas à assessoria de imprensa da UFMG, Menezes compara a resposta inflamatória com “uma cidade atingida por um míssil: para reconstruir, é preciso demolir as construções danificadas e limpar o terreno. Os neutrófilos, células de defesa que chegam rapidamente ao tecido inflamado, precisam acabar de digerir os tecidos mortos, para que o órgão possa se reconstituir. Assim, bloquear sua ação completamente e por longos períodos impede que o tecido se repare corretamente”.

Diante desse desconforto (sintomas) causado por diversos fatores, como patógenos, as pessoas minimizam o problema com medicamentos anti-inflamatórios. O que, segundo pesquisador, não é obrigatoriamente um problema, desde que sejam prescritos por profissionais de saúde no momento exato.

Leia também

As complicações ocorrem quando pacientes não procuram ajuda médica para saberem quais remédios devem tomar, qual a dosagem e por quanto tempo. No caso dos anti-inflamatórios, de acordo com o estudo, a sobremedicação causa maior resistência aos princípios ativos do remédio (“o corpo aprende a destruir a medicação mais rapidamente”) e retarda a cura dos tecidos afetados pela enfermidade.

“Os processos esculpidos pela evolução são uma dádiva para fixação humana na terra”, diz o pesquisador. Por isso, dosagens que amenizam os sintomas não devem afetar a cura natural do organismo.

Segundo Menezes, entre os três momentos possíveis para uso desses medicamentos (antes dos sintomas aparecerem, durante os sintomas e depois dos sintomas terem acabado), a pior resposta ocorreu quando houve o prolongamento do anti-inflamatório sem motivos. Por outro lado, quando houve intervenção medicamentosa logo no aparecimento dos sintomas, as respostas foram melhores.

A facilidade de compra dos anti-inflamatórios cria uma cultura de automedicação nada benéfica. “As pessoas sentem uma leve dor de cabeça e começam a fazer uso do medicamento. Mesmo depois de terem acabado os sintomas, elas continuam tomando para se precaver. Essa prática pode resultar em outras doenças e maiores complicações”, afirma Menezes.

O artigo científico foi publicado, recentemente, na Revista Cells com o nome Paradoxical Role of Matrix Metalloproteinases in Liver Injury and Regeneration after Sterile Acute Hepatic Failure. Para acessar, clique aqui.

Veja abaixo o vídeo da entrevista como pesquisador.

Siga, também, o canal do Minas Faz Ciência no Youtube.