O uso de realidade aumentada, por meio da tela de um celular, representa uma das diversas possibilidades de associação entre tecnologia e leitura. E é essa a proposta explorada por Tâmara Milhomem, doutoranda em linguística aplicada pela UFMG. Ela ficou em segundo lugar no concurso Ideias inovadoras em educação e trabalho, promovido pelo Ministério da Educação (MEC), com o projeto O clube de leitura na biblioteca “viva”: conexões entre a realidade aumentada e a literatura clássica.

Confira, no Ondas da Ciência:

A biblioteca viva

Os alunos participantes deverão criar objetos virtuais que possam ser associados a trechos das obras encontradas na biblioteca do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Piauí, onde Tâmara é professora de língua portuguesa. Ao folhear o livro, o leitor vai se deparar com imagens, músicas e vídeos, que aparecem com o uso da câmera do celular.

O uso de realidade aumentada vem na nova fase de um projeto que já foi implementado pela professora, e será lançada no próximo semestre. A inquietação de um dos colegas de Tâmara com as dificuldades dos alunos com a interpretação de textos a levou a desenvolver o Clube de Leitura. A proposta era que os alunos lessem um livro por mês, discutissem e fizessem um texto em cima da leitura.

O projeto de Tâmara Milhomem visa ressignificar e aproximar a biblioteca de alunos de ensino médio, e pode ser replicado em qualquer biblioteca. “A realidade aumentada acaba reinventando o que parece que está obsoleto: o impresso. Os estudantes não tem muita relação com esses tipos de leitura, mas tem com objetos virtuais: com músicas, com vídeos, com imagens. Estão interagindo com isso o tempo inteiro. E porque não associar essas duas narrativas?”, propõe a professora.

Concurso

O objetivo do concurso Ideias Inovadoras em educação e trabalho, promovido do pelo MEC, é incentivar a geração de ideias, a criatividade e a inovação na educação profissional, além de compartilhar esses conhecimentos entre lusófonos. O projeto desenvolvido por Tâmara Milhomem ficou em segundo lugar na categoria Relação entre o ensino médio/secundário e o ensino técnico/profissionalizante.