Professor emérito da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ) e um dos mais importantes nomes da crítica literária brasileira, Luiz Costa Lima discute, nesta obra de grande profundidade, a vasta dimensão das problemáticas relativas à mímesis.

Com o livro, o crítico pretende estimular os leitores ao debate de ideias. Diferentemente da tradição que observa o conceito por sua correspondência ao latino “imitatio”, o autor analisa o fenômeno para muito além das “fronteiras da arte verbal e pictórica”.

Trata-se, em grande medida, da retomada de teorias já abordadas pelo próprio Luiz Costa Lima, por exemplo, em seu clássico Mímesis e modernidade – Formas das sombras, publicado em 1980.

Nesta nova leitura do assunto, o autor reconstitui a trajetória do conceito. Aborda também temáticas como “A verossimilhança” e interpretar pressupostos de pensadores como Kant, Nietzsche, Schopenhauer, Freud, Foucault e Deleuze.

Leia um trecho:

“Assim como tivera em Platão seu adversário de respeito, a mímesis antiga encontrou em Aristóteles seu grande sistematizador. Assim dizemos levando em conta a razão pela qual o autor dos Diálogos a hostilizava e a que assistia Aristóteles em sua aceitação. Conforme assinala Paul Woodruf em magnífico ensaio, Platão tinha duas justificativas, uma pedagógica, outra ético-epistemológica, para sua recusa.”

 

Ficha técnica:

Livro: Mímesis – Desafio ao pensamento
Autores: Luiz Costa Lima
Editora: UFSC
Páginas: 336
Ano: 2014