Neste “Ciência na Estante“, falo brevemente sobre o livro que pretende discutir a filosofia da arte. Mas, antes, vamos a uma introdução do autor: professor emérito de Filosofia da Universidade de Columbia, o norte-americano Arthur C. Danto (1924-2013) foi um dos mais influentes críticos de arte do mundo.

Além de colaborar com uma série de célebres revistas – entre as quais, The Nation, Punch Review e Artforum –, o autor presidiu a American Philosophical Association e a American Society for Aesthetics.

Toda a erudição e a intensidade do verbo de um dos mais importantes estetas da atualidade aparecem em O descredenciamento filosófico da arte, obra escrita após o clássico A transfiguração do lugar-comum e na qual são discutidas questões cruciais ao debate das expressões artísticas.

Com sua verve peculiar, Danto aborda, no livro, temáticas de vasta dimensão, a exemplo dos ensaios “A apreciação e a interpretação de obras de arte”, “Linguagem, arte, cultura, texto” e “Filosofia como/e/da literatura”.

Com prefácio de Jonathan Gilmore e tradução de Rodrigo Duarte, a obra revela-se imprescindível aos interessados pelos enigmas e pelas profundezas inerentes às multipossibilidades dos bens e processos estéticos e culturais.

Capa do livro “O descredenciamento filosófico da arte”

Leia um trecho:

“Uma diferenciação talvez possa ser feita, com grande dificuldade, da seguinte maneira. A distinção entre profundidade e superfície é perpendicular à distinção filosoficamente mais corriqueira entre interno e externo. É difícil traçar a distinção entre interno e externo sem recorrer, em cada questão, às filosofias da mente e do conhecimento, mas a interpretação de superfície pressupõe caracterizar o comportamento externo de um agente com referência à representação interna desse comportamento, presumida como sendo do agente, e o agente se encontra numa posição um pouco privilegiada com respeito ao que são suas representações”.

Ficha técnica:

Livro: O descredenciamento filosófico da arte

Autores: Arthur C. Danto

Tradução: Rodrigo Duarte

Editora: Autêntica

Páginas: 252

Ano: 2014