Um projeto desenvolvido no CEFET-MG busca solucionar a ausência de terminologia para conceitos técnicos e científicos em Libras. O objetivo é integrar de maneira mais efetiva os estudantes surdos em suas escolas e universidades. Assim, foi criada a plataforma digital SignWeaver, o Dicionário para Surdos.

Esse trabalho poderá ser visto no Inova Minas Fapemig, evento gratuito que começa nesta sexta-feira, 15 de setembro, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. Confira a programação e participe!

Termos técnicos traduzidos para Libras

Por meio da Língua Brasileira de Sinais (Libras), surdos e pessoas com deficiência auditiva transmitem suas ideias e fatos ao mundo. A Libras é o segundo idioma oficial do Brasil e seu ensino proporciona avanços significativos nas possibilidades de inclusão para surdos no país.

No entanto, muitos estudantes têm dificuldades no acesso ao ensino, especialmente nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (CTEM). O problema é o uso de termos técnicos que nem sempre são facilmente traduzidos em movimentos e sinais.

Para contornar essa situação, intérpretes, professores e tutores empreendem esforços para criar neologismos terminológicos. Em todo o país, não há uniformidade ou metodologia clara para essas traduções.

O Dicionário de Surdos do CEFET-MG foi criado como uma solução para este problema.

SignWeaver, a plataforma digital que traduz conceitos para Libras

A plataforma digital SignWeaver (artesão ou tecelão de sinais, em tradução livre para o português) foi desenvolvida para apoiar a criação, o armazenamento e a disponibilização de dicionários terminológicos para atender às demandas das pessoas surdas em áreas tecnológicas.

A metodologia é inovadora, baseada em métodos computacionais que auxiliam a produção de novos sinais para conceitos técnicos em CTEM, de forma mais parametrizada, ágil e escalável.

Para a criação dos novos sinais, a plataforma vale-se de algoritmos de visão computacional e processamento de linguagem natural, validados por teorias linguísticas aplicadas por um comitê avaliador.

Quem está à frente do trabalho são os professores Flávio Cardeal e Vera Lima. O projeto foi também aprovado no programa de aceleração de empresas FIEMG-Lab. Nesse programa, ideias e tecnologias são lapidadas por profissionais de diversos campos para a criação de um novo negócio.

“A partir desta experiência no FIEMG-Lab, pretendemos explorar a viabilidade de se criar uma organização que leve adiante o projeto, dando maior estrutura financeira e profissional. Queremos contribuir para que o problema da escassez de um léxico específico para termos técnicos em Libras seja solucionado da forma devida”, comenta o professor Flávio Cardeal.

SignWeaver no Inova Minas

No Inova Minas, os professores irão expor os resultados relacionados à metodologia de criação de novos termos técnicos em Libras.

Também serão apresentadas ações desenvolvidas durante a experiência no programa FIEMG-Lab e que se relacionam com as viabilidades técnica e econômica do projeto.

Além dos professores, participam do trabalho os estudantes Carlos Carneiro e Celso Souza, do Programa de Pós-Graduação em Modelagem Matemática e Computacional do CEFET-MG; o linguista Gilberto Goulart e o ex-aluno do curso técnico em eletrônica, Felipe Teixeira (que é surdo).

Participe do Inova Minas Fapemig, evento gratuito que começa nesta sexta-feira, 15 de setembro, na Praça da Liberdade, em Belo Horizonte. Clique aqui e confira a programação.