lab-512503_1280

A queda dos investimentos governamentais em pesquisa científica é um fenômeno que vem ocorrendo em diversos países. Atrelado a isso, têm sido criados diversos mecanismos que buscam mensurar o retorno dos investimentos feitos, tendo em vista os resultados obtidos com as pesquisas. Por trás desse movimento, está a busca pela eficiência e produtividade.

Tomando por base esse contexto, pesquisadores do Reino Unido realizaram um estudo que apontou para o papel duplo das ferramentas e dispositivos que permeiam a prática científica contemporânea: ao mesmo tempo em que dispor de tais equipamentos torna-se algo que eleva sobremaneira os custos da pesquisa, são eles, em grande medida, os responsáveis por otimizar a produção científica.

Diante dessa constatação, os pesquisadores destacaram o fato de ser justamente nos equipamentos onde reside a possível solução da questão. Bom, não nos equipamentos em si, mas na forma como eles são utilizados: nesse caso, a palavra de ordem é compartilhar.

De acordo com o relatório, compartilhar pode até assegurar a inovação – do ponto de vista de se ter os artefatos mais avançados para realizar determinados estudos – já que o investimento conjunto diminui os custos com a compra e manutenção de equipamentos.

No entanto, nada é tão simples, afinal, no compartilhar estão implicadas muitas questões que vão desde aquelas mais pragmáticas, como a organização das demandas de trabalho de equipes distintas, até outras mais subjetivas, como confiança, relacionamentos, vaidades, disputas.

Dessa forma, concluem os pesquisadores:

“(…) precisamos ser capazes de medir o quanto (e como) a partilha está acontecendo, caso haja o objetivo de encorajar essa prática no futuro. Há um desafio de gestão, mas os benefícios reais também exigem uma mudança cultural, que caminhe da competição para uma maior cooperação.” Georghiou & Jackson.

Para quem se interessou pelo tema, o relatório completo da N8 Research Partnership está disponível: Raising the Return – benefits and opportunities from sharing research equipment.

*Luke Georghiou e Sarah Jackson em texto publicado no Guardian, dia 5 de março de 2015.