Eles não são fofinhos como os mamíferos, nem cantam lindamente como os pássaros, mas os répteis precisam do nosso amor e proteção!

Dentre os vertebrados, um terço dos animais são répteis, são mais de 10 mil espécies! Mas quando falamos de conservação e proteção ambiental, eles estão constantemente sub-representados em diferentes áreas ao redor do mundo.

Isso significa que algumas espécies de répteis têm mais chance de entrarem em risco de extinção e desaparecerem por completo da Terra.

Para evitar essa tragédia, é preciso preservar!

Crédiost: Alex Slavenko, Universidade de Tel Aviv

Crédiost: Alex Slavenko, Universidade de Tel Aviv

Como é feita a conservação ambiental?

Um micro réptil precisa de proteção! Créditos: Simon Jamieson, Universidade de Tel Aviv.

Um micro réptil precisa de proteção! Créditos: Simon Jamieson, Universidade de Tel Aviv.

Para melhor proteger a vida selvagem, é importante saber onde as espécies vivem, como elas vivem, e preservar o meio ambiente.

Além dos esforços de pesquisa de cada Universidade e Instituto voltado para o tema da conservação ao redor do mundo, existem plataformas globais que tentam reunir todas as informações em um só lugar.

Isso é importante para que a tomada de decisões sobre a conservação ambiental leve em consideração múltiplos fatores. Então, as ações corretas podem ser tomadas e o financiamento disponível pode ser alocado nos lugares certos.

World Database on Protected Areas (WDPA), por exemplo, é uma base de dados global muito abrangente, que engloba áreas protegidas terrestres e marinhas. Essas áreas servem de “unidades centrais” para a conservação local.

A WDPA registra os atributos numéricos e espaciais de mais de 100.000 sites em todo o mundo, cobrindo mais de 12% da área terrestre da Terra. Por meio desse sistema, diferentes estados, nações ou autoridades regionais observam áreas protegidas.

Mas por que os répteis podem estar em risco?

Um dos motivos é que os humanos naturalmente prestam mais atenção aos pássaros e aos mamíferos.

A segunda razão é que muitos répteis vivem em áreas quentes e secas, longe dos lugares que os humanos gostam de habitar.

Além disso, muitos esforços de conservação tendem a se concentrar em locais europeus e norte-americanos, bem como partes ricas em espécies do planeta, como a Amazônia e o Sudeste Asiático.

Desertos e terras secas, onde muitos répteis vivem, não costumam ser foco de ações de conservação.

Um bichão desses! Créditos: Simon Jamieson, Universidade de Tel Aviv

Um bichão desses! Créditos: Simon Jamieson, Universidade de Tel Aviv

Por que é importante preservar a vida dos répteis?

Imponente e um pouco assustador... Créditos: Alex Slavenko, Universidade de Tel Aviv

Imponente e um pouco assustador… Créditos: Alex Slavenko, Universidade de Tel Aviv

Répteis são vitais para seus habitats.

Em alguns ecossistemas, eles são predadores do topo da cadeia alimentar e mantêm outras populações sob controle.

Em outros, eles ocupam uma importante fonte de alimento para mamíferos e aves de rapina.

Como todos os agentes dos ecossistemas são interdependentes, os cientistas precisam manter informações atualizadas sobre todas as espécies para os esforços de conservação.

Por isso, da próxima vez que você se deparar com um bicho desses e ficar assustado, lembre-se: cada um é parte importante de um sistema que mantém o Planeta em equilíbrio!

 

Via JStor.