Hortaliça tradicional na mesa dos mineiros, o ora-pró-nobis é resistente à seca, cresce em solos pobres e é alimento rico em proteínas. A planta é usada ainda como cerca viva, serve para a contenção de áreas degradadas e apresenta propriedades terapêuticas.

Pesquisa do Instituto de Ciências Agrárias da UFMG verificou que processos de desidratação do ora-pro-nóbis conservam as propriedades nutritivas da folha. A planta desidratada apresentou entre 19 e 23% de proteína bruta na matéria seca.

Foram testados dois processos. O primeiro, em laboratório, e o segundo, de secagem ao sol. “Conservar alimentos desidratados não é algo novo. Mas utilizar essa hortaliça de forma desidratada, só vimos em um ou dois artigos. A importância do trabalho é disponibilizar uma tecnologia para o produtor que perderia aquelas folhas”, afirma a professora Neide Judith de Oliveira, responsável pela pesquisa.

A pesquisadora conta que o estudo deve ter continuidade, com testes de adição das folhas desidratadas em alimentos. O objetivo é melhorar as propriedades nutricionais desses produtos.

Confira, no Ondas da Ciência:

 

Processos de desidratação do ora-pro-nóbis

O estudo conduzido por Neide Judith de Oliveira tinha como objetivo verificar processos de desidratação que possam ser executados por qualquer pessoa.

Para replicar o método de desidratação ao sol, é preciso higienizar as folhas e cortar porções maiores. O segundo passo é depositar as hortaliças em uma assadeira ou forma de vidro ou alumínio, diretamente sob o sol. Deve-se proteger as folhas de poeira e de insetos. No estudo, foram usadas telas de nylon.

A cada duas ou três horas, os vegetais devem ser virados, até atingirem a textura de outras folhas desidratadas. Depois do processo de desidratação, deixar as folhas por dois dias em uma vasilha entreaberta. Os ora-pro-nóbis desidratados pelos pesquisadores tiveram vida útil de até seis meses.