Identificadas novas espécies de besouros

Em 1962, um ex-oficial da aeronáutica coletou diversos espécimes de besouros. Esses insetos, nunca estudados, fizeram parte da sua coleção, que foi doada à Universidade Federal do Paraná e ao Museu Nacional, no Rio de Janeiro. No incêndio que atingiu o acervo do museu, em 2018, grande parte da coleção de Moacyr Alvarenga foi destruída.

Mas antes disso, o biólogo Ítalo Salvatore de Castro Pecci Maddalena, pesquisador da Universidade Federal de Viçosa, recuperou muitos dos insetos, para sua tese de doutorado. Primeiro, identificou a espécie de besouro Mycotretus alvarengai, nomeada em homenagem a Moacyr Alvarenga.

Nova homenagem veio recentemente. Agora, o biólogo identificou e descreveu o Xalpirta mauryi. O nome, dessa vez, veio de Maury Pinto de Oliveira, médico e professor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF).

Conheça a história, no Ondas da Ciência!

Homenagem científica

Maury Oliveira faleceu em 2009, aos 90 anos, dos quais dedicou cerca de 50 ao estudo de moluscos. O professor reuniu uma coleção com mais de 40 mil conchas, posteriormente doadas ao Museu de Malacologia da UFJF, do qual foi fundador. E também era frequentador assíduo do sebo do tio de Ítalo. Lá, conheceu o biólogo. Na época, Ítalo tinha 12 anos de idade.

“Ele ficou encantado, porque eu gostava de besouros e ele se identificou comigo. Quando era criança, ele também estudava besouros, depois acabou indo para as conchas. E ele me influenciou muito. Eu, um menino de 12 anos, de repente estava falando de termos e nomenclatura científica, coisa que eu só fui ver depois, a fundo, na universidade”, conta o pesquisador.

O caminho de Ítalo pela entomologia nasceu nessas conversas com o professor da UFJF, no sebo. Anos depois, pareceu natural fazer a homenagem a Maury Oliveira.

Nova espécie de besouro

O Xalpirta mauryi pertence à família Erotylidae, formada por besouros coloridos, que se alimentam de fungos do tipo “cogumelo”. Ocorre no Parque Nacional do Itatiaia (RJ) e em Campos do Jordão (SP). Vive assim em áreas de grandes altitudes e resistem a temperaturas baixas. Tem a coloração verde, com um brilho metálico.

A tese de Italo também inclui a revisão das espécies “tigre” de Mycotretus, um catálogo taxonômico das 177 espécies do gênero Mycotretus e uma análise filogenética da tribo Tritomini, na qual o gênero Mycotretus é incluído.

Compartilhe nas redes sociais
0Shares
Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *