Escola de Frankfurt para menores

Divulgação Nau Editora
Divulgação Nau Editora

Walter Benjamin, um dos principais representantes da Escola de Frankfurt (fundada em 1920) e, por conseguinte, da teoria crítica, produziu vasto e profundo material sobre a sociedade do século XX, cujo avanço tecnológico, colocado a serviço do modo de produção capitalista, gerou diversas transformações na sociedade, com destaque para as relações dos sujeitos com a cultura e o lazer.

Nesse aspecto, a indústria cultural tornou-se foco de análise desses pesquisadores, que buscavam refletir sobre os impactos da produção veiculada pelos meios de comunicação de massa nos sujeitos. Enquanto alguns autores mostravam preocupação com o fato de que a cultura de massa levaria à perda da possibilidade de posicionar-se criticamente em relação à realidade, Benjamin chamava a atenção para outros aspectos. Na perspectiva do autor, a partir das técnicas de reprodução, a arte se tornaria mais acessível, o que, em certa medida, poderia contribuir para formação de uma consciência crítica entre as massas.

No entanto, o que queremos destacar aqui é que, além de refletir sobre os meios de comunicação de massa, a indústria cultural, Walter Benjamin, também lidou com as questões práticas referentes à produção e veiculação de conteúdo através desses meios.

De 1927 a 1933, Benjamin apresentou o programa “A hora das crianças”, que foi ao ar em emissoras de rádio de Berlim e Frankfurt. Nas narrativas radiofônicas dedicadas ao público infantil o autor tratava de temas como arte, técnica, política, cultura, história, memória e experiência, numa linguagem acessível ao público, mas que também não era “infantilizada”.

Apesar de não haver registros em áudio da produção do autor, os escritos que serviram de base para a apresentação das narrativas permaneceram e, neste ano, ganharam tradução para o português. A obra “A hora das crianças”, publicada pela Nau Editora, seguindo o projeto editorial da pesquisadora Rita Ribes Pereira, permite ao leitor vislumbrar os desafios que se colocavam à produção desse tipo de conteúdo e ainda como um dos principais teóricos do campo enfrentou esses desafios, tendo em vista alcançar seus interlocutores.

Imperdível!

Boa leitura!

Compartilhe nas redes sociais
0Shares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *