Pesquisa reduz quantidade de sódio no queijo prato

Por que é importante reduzir o sódio no queijo Prato?

A população brasileira consome mais que o dobro de sódio recomendado pela Organização Mundial de Saúde e o consumo em excesso causa sérios problemas de saúde, como hipertensão, doenças renais e osteoporose.

queijo Prato é o segundo queijo mais consumido no país, no entanto, apresenta um teor de sal elevado. O consumo desse queijo impacta na quantidade de sal ingerida diariamente pela população brasileira.

Mas a ciência pode ter uma solução!

Uma pesquisa da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) analisou o efeito da substituição parcial do sódio em queijo prato. O estudo avaliou o efeito nas características físico-químicas, de textura, capacidade de derretimento e aceitação sensorial pelo consumidor.

Conversamos com a coordenadora do projeto, a pesquisadora Renata Golin Bueno Costa, para entender melhor a pesquisa e seu potencial para o mercado de laticínios.

Confira:

Minas Faz Ciência: Conte-me um pouco sobre sua trajetória profissional? Por que escolheu estudar Engenharia de Alimentos? Como é seu trabalho atual na Epamig?

Renata Golin / Reprodução Facebook

Renata Costa: Eu sou paulista de Presidente Prudente e sempre gostei das matérias de exatas. Quando estava cursando o Ensino Médio, tive um professor de Física que sempre falava sobre o curso de Engenharia de Alimentos. Então eu me informei sobre o curso e decidi fazer vestibular. Fui muito feliz na minha escolha e não poderia ter feito outro curso. Estou na EPAMIG há 10 anos como pesquisadora e professora na área de Tecnologia de Queijos. Ministro aulas para o curso técnico (pós-médio) e oriento alunos do Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia de Leite e Derivados, uma parceria da UFJF/Embrapa e EPAMIG-ILCT.

MFC: Como se interessou pelo trabalho com queijos industriais e artesanais? O que suas pesquisas buscam fazer com esses produtos?

RC: Meu interesse pela área de queijos começou no Mestrado e, posteriormente, no doutorado, meus trabalhos focaram no queijo industrial. Na EPAMIG, comecei as pesquisas com queijo artesanal, também devido à tradição de Minas Gerias. Minhas pesquisas buscam desenvolver ou aprimorar tecnologias, melhorar a qualidade dos queijos e desenvolver novos produtos.

MFC: Que processos de inovação podem ser desenvolvidos na produção de queijos no Brasil? Qual o cenário atual de Minas Gerais nesse quesito? Temos técnicas inovadoras? É possível ser inovador e manter a tradição artesanal na produção dos queijos típicos de MG, por exemplo?

RC: O processo de inovação pode se dar na adição de ingredientes para melhorar o produto como, por exemplo, adição de probióticos e prebióticos, antioxidantes, novos tipos de coagulantes que melhoram o rendimento em queijos.

Também podemos desenvolver um produto novo ou novas tecnologias de fabricação de queijo. Minas Gerais tem potencial para inovação por ser o maior produtor de leite do Brasil e, consequentemente, ter tradição em produzir queijos. Porém, acho difícil ser inovador e manter a tradição artesanal, pois qualquer inovação muda a tradição da produção de queijos.

MFC: Este ano você participou do Inova Minas Fapemig apresentando sua pesquisa sobre substituição parcial do sódio em queijo prato. Como foi a reação do público?

RC: A reação foi muito positiva, pois a gente conseguiu desenvolver um queijo prato com redução de sódio sem afetar as características do queijo. As pessoas, no início, não acreditavam que o queijo seria semelhante àquele com cloreto de sódio. Depois que comiam, queriam saber onde podiam comprar.

Muitas pessoas hipertensas acharam excelente a ideia da pesquisa, pois não existe queijo com redução de sódio no mercado e o hipertenso fica impedido de consumir esse produto.

 

MFC: Pode detalhar os métodos e resultados obtidos com essa pesquisa? Por que é importante pensar em soluções para a redução do sódio no queijo? Que cuidados são necessários para reduzir o sódio e manter a qualidade e o sabor do alimento?

RC: O consumo de sódio pelos brasileiros, segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), é estimado em cerca de 12 gramas de sal por dia. A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda que o consumo de sódio não exceda 2000 mg, o que corresponde, aproximadamente, a cinco gramas diárias de cloreto de sódio.

O sódio é essencial nas funções metabólicas do corpo humano e na manutenção do balanço hídrico dentro das células. No entanto, o consumo elevado de sal contribui para hipertensão, cálculo renal e câncer de estômago, além de prejudicar a absorção de cálcio no metabolismo humano.

Por isso é necessário reduzir o sódio dos alimentos e os queijos são o quarto alimento consumido pelos brasileiros que impactam no consumo de sódio. Os três primeiros em ordem decrescente são: pão, temperos a base de sódio, biscoitos e bolachas.

O cloreto de sódio tem muitas funções no queijo, como, melhorar sabor, textura e cor; inibir o crescimento de microrganismos contaminantes que podem provocar sérios defeitos; promover a sinérese da massa e ajudar no ajuste do teor de umidade final. Por isso deve-se tomar cuidado na redução do sódio do queijo para não afetar sua qualidade.

Geralmente, é realizada a substituição do cloreto de sódio pelo cloreto de potássio, em proporções de 30 a 40%, para evitar gosto residual no produto. Em alguns queijos é possível conseguir uma substituição de até 50% do cloreto de sódio pelo potássio.

Acima disso, a substituição vai alterando o gosto do queijo, que fica amargo, com um residual na boca. Existem outros substitutos comerciais para substituição de sódio e minha pesquisa foi testá-los no queijo Prato.

Sobre os resultados:

[infobox title=’A pesquisa’]Dentre os substitutos que utilizei estão o SalonaTM (ICL Performance Products/BKG Adicon). Este é um sal marinho com baixo teor de sódio, originado de Israel, que permite uma substituição de 25 a 50% de cloreto de sódio. Sua composição apresenta cloreto de magnésio, cloreto de potássio e cloreto de sódio. Outro substituto foi o Sub4saltTM (Jungbunzlauer International AG) que permite a redução de 30-50% de sódio, com características sensoriais semelhantes ao produto tradicional, por apresentar na sua formulação cloreto de potássio e de sódio, e gluconato de sódio, que cobre gosto residual do sal de potássio (Jungbunzlauer, 2014).[/infobox]

O queijo prato foi produzido de forma tradicional e nenhuma diferença significativa foi observada nas características físico-químicas, pH, índices de proteólise, capacidade de derretimento e perfil de textura.

No entanto, houve efeito significativo ao longo do tempo de maturação, com aumento dos índices de proteólise, da capacidade de derretimento e redução na dureza do queijo, como esperado em um queijo maturado.

Do ponto de vista da aparência, os queijos ficaram iguais ao queijo Prato, não teve diferença nenhuma.

Compartilhe nas redes sociais
0Shares
Tags: , , , ,

Verônica Soares

Jornalista, Mestre em História, Política e Bens Culturais, com Doutorado em Comunicação Social sobre textualidades midiáticas da divulgação científica em ambientes digitais.

Um comentário em “Pesquisa reduz quantidade de sódio no queijo prato

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *