Já pensou em meditar para melhorar seu desempenho nos estudos? Pois é. Cientistas de vários paíeses estão interessados em saber quais os benefícios das práticas meditativas na sala de aula.

Não sabe o que são práticas meditativas e como funcionam ? A gente explica.

Em geral, quando pensamos em prática meditativa, logo nos vem à mente a imagem de uma pessoa sentada com as pernas cruzadas, olhos fechados, uma expressão de paz e tranquilidade no rosto.  A meditação nos transporta também aos países orientais, religiões como o budismo.

A verdade é que não existe um só tipo de prática para meditar. Existem várias maneiras utilizadas pelas pessoas para desenvolver o foco e a atenção.

O objetivo dessas práticas é repousar a nossa mente, quando ela está muito inquieta, agitada. Por meio de exercícios apropriados e controle do nosso organismo, conseguimos prestar mais atenção ao momento presente, descansar e acalmar nossos pensamentos.

Basicamente, esta prática se divide em dois tipos:

  1. Concentrativa – quando nos concentramos na respiração, em um som ou mantra para focar e descansar a mente;
  2. Mindfulness – busca a consciência e aceitação sobre o momento presente, sem julgamentos, evitando a fixação ruminação dos estímulos internos ou externos.

Já deu para entender por que estas técnicas podem ser úteis nos seus estudos? Acontece que vivemos hoje em meio a muitos estímulos, como jogos, celular, redes sociais. As cidades são agitadas, as pessoas andam sempre com pressa e preocupadas. Toda esta agitação não faz bem para nosso cérebro e nosso organismo.

E aí, quando vamos estudar e nos concentrar em alguma coisa, fica muito mais difícil.

Os estudos sobre o uso da meditação nas escolas não são novos. Uma estudante da UFMG, chamada Bárbara Luana Rodrigues, realizou uma pesquisa para saber sobre o resultado das pesquisas sobre este assunto e descobriu que elas existem há mais de 50 anos, pelo menos. Mas, foi mais recentemente que o interesse se multiplicou e muitos pesquisadores se dedicaram a compreender porque meditação e escola fazer uma bela dupla!

Os resultados da pesquisa da Bárbara apontam os seguintes resultados das práticas meditativas nas escolas:

  • diminuição de ansiedade
  • aumento das habilidades sociais
  • melhoria no humor
  • maior autocontrole
  • diminuição do estresse percebido
  • diminuição do cansaço
  • melhoria na autoestima
  • menor número de faltas à escola
  • melhoria na memória
  • maior atenção
  • melhor processamento visio espacial
  • melhor comportamento dentro da escola

A frequência da prática meditativa nos estudos variou entre 1 vez por semana e 5 dias por semana, sendo sugerido por alguns que a meditação fosse praticada 6 ou 7 vezes por semana ou 3 vezes ao dia.

Bárbara sugere, diante dos diversos resultados positivos apresentados nas pesquisas realizadas com crianças e adolescentes sobre aspectos cognitivos e comportamentais utilizando práticas meditativas, que tais práticas poderiam ser incorporadas ao ambiente escolar como uma ferramenta para, não só proporcionar um melhor aprendizado dos alunos, mas também possibilitar que estejam preparados para enfrentar os desafios cotidianos com clareza mental e tranquilidade. 

Em Belo Horizonte, algumas escolas já utilizam este recurso. E a sua? Conte pra nós. Que tal sugerir aos professores?

Para saber mais:

Foto de Todd Fahrner sob licença cc.