O que os olhos não veem…

O mundo virtual é incrível, mas, cuidado, tem gente te observando!

Tenho certeza de que você já teve – ou tem – algum tipo de contato com equipamentos e brinquedos conectados à internet. Estou certo? Este maravilhoso mundo virtual é cheio de coisas inacreditáveis, que, por vezes, estão bem longe do que se possa passar em nossa imaginação. Hoje, vou lhe contar certos segredinhos deste… submundo! 

Nossos celulares, computadores e tablets têm uma “interface”, lugar onde executamos ações como abrir um jogo e acessar a internet, que deixa tudo mais fácil para nós. Porém, por trás destas facilidades, há uma imensidão de pessoas a trabalhar, diariamente, para transformar um monte de letras e números em algo visual e extremamente agradável aos nossos olhos. Mas não se engane, viu? Existem, também, pessoas em busca de informações supersecretas, que querem ter este acesso a todo custo. Estes são os hackers e crackers!

Os nomes podem até parecer estranhos, e você pode já ter ouvido falar sobre um deles. Afinal, é muito comum alguém dizer: “‘hackearam’ minha rede social”. Ou “‘hackearam’ meu computador”. Bem, apesar de o termo ter se tornado comum entre as pessoas, há uma diferença entre o hacker e o cracker, assim como entre o que cada uma dessas pessoas faz.

Hackers

A partir dos exemplos acima, você deve pensar que hacker é alguém com quem devemos nos preocupar, né? De fato, é importante, mas, como explica Lucas Silva, cientista da computação formado na Universidade Federal de Viçosa, a UFV, existem duas vertentes nesta “profissão”. Vamos pensar em uma grande empresa: lá, existem muitos computadores, que se conectam a apenas uma máquina, para troca de informações. 

Neste caso, o hacker bem intencionado usa suas técnicas para identificar falhas em sistemas e equipamentos, além de aplicar as correções necessárias e evitar acesso inadequado ao computador no qual toda a rede se conecta. Já o outro tipo de hacker, que pertence a um grupo distinto, age sem ética, e se aproveita de brechas para invadir sistemas, sempre com ações duvidosas.

Crackers

Certas vezes, vamos a lugares onde há acesso wi-fi liberado para nós, não é verdade? Acredito, inclusive, que você já tenha conectado seu smartphone a redes assim… Estou certo? Olha, seu aparelho pode até ter saído ileso desta conexão, mas vou te contar: os crackers adorariam saber sua conexão foi realizada em uma rede… insegura! 

Siiiiim! Afinal, eles “aproveitam que o usuário desconhece as principais práticas de segurança e modificam os serviços, para que possam capturar informações do usuário: da senha das redes sociais a dados bancários”, explica Silva.

Superdica!

Agora que conhece melhor a diferença entre hackers e crackers, já pode explicar às outras pessoas! Ah! Outra dica superimportante (e básica): sempre que for acessar as redes sociais, ou fazer algum tipo de compra na internet, não basta estar acompanhado de adultos responsáveis por ti. É preciso, também, verificar se o site contém o símbolo de um “cadeado verde”, e se o endereço acessado corresponde ao endereço oficial do local que está visitando.

Este passeio pelo ciberespaço foi bem rápido, né?! Pois te espero numa próxima jornada! Até lá!

Sobre o(a) autor(a)

frame3

Conteúdo Relacionado

Enable Notifications    OK No thanks