Pense, rapidinho, no verbo “cooperar”! Agora, me diga: diante dele, quais outras ideias e palavras lhe vêm à mente? Na minha cabeça, surge um montão de termos, todos muito legais, como ajudar, auxiliar, colaborar, apoiar, contribuir ou socorrer.

Para além dos dicionários, sabia que o ato de cooperar é muito importante às pessoas que escolhem, como profissão, a área de Relações Internacionais, mais conhecida como “RI”?

Siiiiiim, é verdade!

O Pedro Neves, professor da área no Centro Universitário de Belo Horizonte (UniBH), nos explica melhor essa história:

“Em RI, as pessoas desenvolvem competências relacionadas à cooperação”.

Ele conta que o profissional formado em Relações Internacionais pode cooperar com agendas e situações ligadas, por exemplo, ao comércio, à segurança ou à resolução de conflitos.

“Pensar na pauta da cooperação é um bom caminho para compreender esta área transdisciplinar”, explica Pedro.

Ok, mas o que significa, exatamente, uma “área transdisciplinar”?! Vamos lá: neste caso, a “transdisciplinaridade” indica que escolher RI é estudar de forma bastante plural, já que diversas disciplinas (história, economia, política etc.) dialogam entre si.

Dia a dia de um internacionalista

Com tantas coisas para fazer, como deve ser o cotidiano de um internacionalista? Segundo Pedro Neves, tudo depende de onde a pessoa está.

“Digo isso porque cada espaço tem um grau e uma característica distinta de internacionalização”, comenta.

Quer um exemplo? Belo Horizonte tem aspectos socioeconômicos bem diferentes de Sampa, Rio ou Brasília. “Logo, esse filtro ‘geomaterial’ é importante para chegarmos a uma resposta sobre ‘o que faz um internacionalista’. Afinal, compreendemos BH como um espaço que cria oportunidades ao bacharel em RI”, completa o professor.

O profissional da área pode, mesmo, ser um tantão de coisas, de operador de comércio a analista de seguros, de trader a representante comercial ou especialista em logística internacional.

“É a área mais diversa! E caminha, com ela, a agenda política, a observar a necessidade constante dos órgãos públicos internacionais, a considerar secretarias de governo em atuar em espaços diversos de cooperação, de forma mais independente”, afirma Pedro.

Pesquisas em RI

Que tal, por fim, conferir a enorme quantidade de assuntos a serem estudados em RI, no Brasil e outros países? Está com bastante fôlego?!

Então, veja só:

  • Teorias das relações internacionais
  • Segurança
  • Estudos estratégicos e defesa
  • Política externa
  • História das Relações Internacionais
  • Economia política internacional
  • Ciência política
  • Direito internacional e Direitos Humanos
  • Instituições, regimes e organizações internacionais

Ah! E tem mais: dentro de cada um destes campos, há uma série de ramificações de estudo...

“Em Economia política internacional, os cientistas podem analisar o papel das potências médias emergentes na reforma do sistema financeiro internacional”, exemplifica o professor Pedro Neves.