Na noite da última segunda-feira (9), em cerimônia realizada na Sala São Paulo, na capital paulista, foram anunciados os 28 estudantes e professores vencedores e vencedoras da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa.

Foram reconhecidas 20 produções de todas as regiões do país, quatro em cada categoria: poema (5º ano do Ensino Fundamental), memórias literárias (6º e 7º anos), crônica (8º e 9º anos), documentário (1º ano do Ensino Médio) e artigo de opinião (3º ano do Ensino Médio). Confira a lista abaixo.

Três estudantes mineiros foram premiados nas categorias Poemas, Memórias Literárias e Crônicas. 

Poema

Nicole Rodrigues Florentino, aluna da Escola Municipal José Maria Alkmin, no Bairro Serra Verde, Venda Nova, Belo Horizonte, passou pelas etapas municipal, estadual e regional para vencer como a melhor produção na categoria Poema, com o título Da janela de Minas.

“Da janela de Minas”
Nicole Rodrigues (5MC)

Da janela de minha casa,
Vejo um belo horizonte.
Que lugar maravilhoso!
Aqui é um lugar esplêndido
De se viver, curtir e divertir.

Da janela de minha casa,
Vejo turistas curiosos,
Com um olhar fascinante,
Admirando nossa
Pampulha exuberante.

Da janela de minha casa,
Vejo um delicioso feijão tropeiro,
Digno de um mineiro,
Tão bom quanto o seu cheiro.

Da janela de minha casa,
Vejo belos museus ordenados,
Com nosso passado
Muito bem guardado.

Da janela de minha casa,
Vejo cintilantes cachoeiras,
Onde nadamos e nos refrescamos.

Da janela de minha casa,
Vejo tanto desemprego,
Assombrando nossa gente,
Que é honesta e decente.

Da janela de minha casa,
Vejo crianças sem cama,
Sem casa e sem comida.

Da janela de minha casa,
Vejo lágrimas tristes escorrendo,
Pelo rosto de quem perdeu
Um ente querido
Na barragem que se rompeu.

Da janela de minha casa,
Vejo a realidade de nossa sociedade,
Gente que não tem nada,
Mas ainda resta a fé.

Da janela da minha casa,
Vejo quase tudo…
Só aguardo a justiça,
A solidariedade e a honestidade
Serem feitas para vivermos
em igualdade.
Essa é a mais pura verdade.

Memórias Literárias

Lavínia Soares Cardoso Bastos, estudante da Escola Estadual Dona Inda, de Alpinópolis, orientada pela professora Rosa Maria Mendes de Lima venceu na categoria Memórias Literárias, com a obra Menina da boca roxa de amora.

“É uma coisa muito boa. Eu nunca esperava. Fomos escrevendo aqui na escola e fui gostando do gênero.”

De acordo com a professora Rosa Maria Mendes de Lima participar da Olimpíada já é tradição e ter alunos selecionados simboliza a coroação de um trabalho. “ Ter a Lavínia como finalista é a confirmação do trabalho que desenvolvi, em especial, no ano em que vou me aposentar”, pontuou.

Crônica

 

A professora Silvânia Paulina e o aluno Aytan Belmiro

Já Aytan  Belmiro Melo, de Santa Bárbara do Leste, Escola Estadual Monsenhor Rocha, venceu com a crônica intitulada À espera da última aula. 

O estudante ressalta como a escola e oficina auxiliaram na elaboração do texto.

“Este ano, na escola, trabalhamos muito o gênero crônica e isso me ajudou muito. Na oficina também consegui aprimorar o que já tinha escrito”.

 

A professora de língua portuguesa do estudante, Silvania Paulina Gomes Teixeira, falou emocionada sobre o concurso.

“É o reconhecimento do nosso trabalho. Nós não trabalhamos pensando em chegar na final, mas com o objetivo de ver os alunos aprenderem. Quando o aluno aprende tudo e ainda consegue esse reconhecimento, é uma experiência maravilhosa”, afirma.

A Olimpíada

O concurso deste ano recebeu mais de 171 mil inscrições e teve adesão de 87,5% dos municípios brasileiros, totalizando 4.876 cidades participantes. Em 2019, a Olimpíada passou a homenagear também autores brasileiros. Nesta edição, a homenageada foi a escritora mineira Conceição Evaristo.

“A literatura de Conceição Evaristo inspirou e fortaleceu os trabalhos de leitura e escrita de adolescentes e jovens, realizados com suas professoras e professores em escolas de todo o Brasil. O lugar onde vivo, tema inspirador da Olimpíada desde a primeira edição, significa o reconhecimento do lugar de vivência e experiências do cotidiano, o lugar de pertença de cada um. Foram inúmeras as escolas que se organizaram e se mobilizaram para que os estudantes pudessem retratar tão bem em seus textos a realidade das suas vidas, das suas comunidades e de seu tempo. Hoje celebramos esses dez meses de dedicação de todos como um momento que comprova a importância da educação no desenvolvimento integral do indivíduo”, afirma a coordenadora de Linguagens do Itaú Social, Dianne Melo.

A Olimpíada de Língua Portuguesa é realizada pelo Itaú Social e pelo Ministério da Educação (MEC), com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). O objetivo é apoiar os professores da rede pública no aprimoramento das práticas de ensino de leitura e escrita. A partir da metodologia do Programa Escrevendo o Futuro, os professores realizam as oficinas de produção de texto com seus alunos.

A 6ª edição da Olimpíada também contou com novidades nas premiações. Os alunos vencedores terão direito a uma viagem cultural em território nacional. Os professores premiados vão poder participar de uma imersão pedagógica internacional. As escolas dos alunos vencedores receberão como prêmio acervo para reforço de suas bibliotecas.

A Olimpíada de Língua Portuguesa é um concurso de produção de textos para alunos de escolas públicas do Brasil, que visa a estimular o interesse pela leitura e escrita. O projeto é uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC) e do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). A Olimpíada integra as ações desenvolvidas pelo Programa Escrevendo o Futuro.

Números desta edição:

4.876 municípios participantes;
42.086 escolas inscritas;
85.908 professores inscritos;
171.037 inscrições nas categorias;
Mais de 5 milhões de alunos participantes das oficinas de leitura e escrita realizadas para a produção dos textos.

Para ver a cerimônia de premiação na íntegra, clique aqui.
Veja aqui quem foram os demais vencedores de cada categoria.
Conheça os textos dos estudantes vencedores.