Qual lugar te permite encontrar dinossauros, voar com Santos Dumont ou – até mais – conhecer o espaço? Adivinhou, quem disse museu.

Casa da história da humanidade, os museus guardam coleções de objetos de interesse artístico, científico, histórico e cultural. Mas se engana quem pensa que eles só têm coisas velhas, ou que é necessário sair de casa para visitá-lo.  O #MUSEUdeMEMES está aí para provar que essa experiência pode ser diferente.

Sabe aquela foto que seus amigos não param de comentar? Ou o vídeo que você não para de receber? Já pensou de onde isso surgiu? Um grupo de estudantes e professores da Universidade Federal Fluminense (UFF) teve a ideia de reuni-los e catalogar suas histórias.

O museu diferentão, vinculado ao grupo de pesquisa coLAB (Laboratório de Comunicação, Culturas Políticas e Economia da Colaboração) e ao Polo de Produção e Pesquisa Aplicada em Jogos Eletrônicos e Redes Colaborativas (P³), funciona num formato de web museu, ou museu virtual.

O grupo realiza, desde 2011, o projeto que inclui, além da pesquisa sobre os memes e a publicação de suas histórias no site, um trabalho de estudo, pesquisa e discussão sobre a cultura dos memes.

 

O que é meme?

Muito conhecido e usado na internet, o meme é um conteúdo multimídia – vídeo, imagem, música, etc. – que se espalha rapidamente (viraliza) no mundo virtual, recriando fatos ou conteúdo original com um propósito de piada ou sátira. Filme, desenho, jornais e até mesmo debates políticos são inspiração para compor esses queridinhos da web.

Apesar de sua extrema popularidade, não precisa ser um profissional para fazer um meme, basta ter uma boa “sacada” para perceber quais imagens, vídeos ou frases poderiam chamar atenção.