Regência de semáforos


via GIPHY

No trânsito, paramos, todos os dias, em sinal vermelho, seguimos no verde e ficamos atentos no amarelo. Nas grandes cidades, isso é bem comum e corriqueiro, né?!

Saiba, porém, que, por trás da “sinfonia” dos semáforos, existem mecanismos muito bem planejados, justamente, para que haja sincronismo, com o objetivo de melhorar o já caótico tráfego.

Não é nada simples saber, direitinho, quanto tempo cada luz ficará acesa.

Inicialmente, os técnicos realizam um estudo, com base no fluxo de carros por cruzamentos, para descobrir o tempo ideal de abertura ou fechamento. Isso tudo, claro, sincronizado com outros sinais, por meio de um sistema bem legal.

A partir daí, é necessário programar cada semáforo, para determinar, dentro do ciclo completo (vermelho, verde e amarelo), quando tempo ele se manterá em cada cor. Haja sincronismo!  

Operários do bolo fofinho

Sempre escutamos que, para a massa crescer, é preciso acrescentar “fermento”. Em um bolo, por exemplo, o ingrediente será responsável por desenvolver e deixar fofinha a guloseima!

E não se trata de mágica, mas… de química!

Em primeiro lugar, você sabia que fermentos são compostos de seres vivos? Sim! Eles são cheios de fungos microscópicos, também chamados de leveduras.

Ao ligar o forno, quando a temperatura aumenta, essas pequeninas criaturas se reproduzem e se alimentam do açúcar e do amido presentes na farinha de trigo, também usada nas receitas.

Nesse processo, as leveduras liberam gás carbônico e fazem a massa crescer.

Aliado da preguiça

Uma das facilidades da vida moderna chama-se controle remoto. Na televisão, por exemplo, ele nos deixa mudar de canal – ou abaixar o volume – sem que precisemos sair daquela cama deliciosa.

Bem… Mas como funciona tal “milagroso” equipamento?! A comunicação entre o controle e a TV é feita por meio da chamada “tecnologia infravermelha”.

Ao apertarmos certos botões do aparelho, enviamos sinais à televisão, que, por meio de sensor, capta tais frequências, entende o comando e realiza a tarefa desejada.

A triste história por trás dessa facilidade é que os controles remotos foram inventados, na década de 1940, durante a Segunda Guerra Mundial, principalmente, para que pudessem detonar bombas.