Desde que o mundo é mundo há gincanas e jogos em que quem tiver o melhor desempenho vai ser o vencedor. Com o avanço dos tempos e também de tecnologia, essas  disputas ganharam novas formas,  por meio de jogos digitais ou mesmo por desafios de programação, denominados hackathon.

Para quem não conhece, os hackathons são maratonas de programação que acontecem em torno de desafios. Podem ser realizados em um evento tanto com programadores iniciantes ou mesmo com profissionais experientes com muito tempo de mercado.

Geralmente acontecem em torno de desafios relacionados a temas. Por exemplo, se resolve realizar um hackathon para encontrar soluções para indústria ou mercado financeiro durante um final de semana. Assim, as equipes se inscrevem ou mesmo se conhecem na hora e começam a trabalhar nessa solução. Ao final do evento, o melhor projeto vence e recebe uma premiação que pode ser em dinheiro ou mesmo entrando para a empresa como um projeto dela própria.

Criação de soluções

De acordo com Pedro Almeida, Fundador do Raja Ventures e diretor do Founder Institute de Belo Horizonte, o hackathon que inicialmente chegou com a pegada de uma maratona de programação, desenvolvimento e código, tornou-se uma maratona de criação de soluções. Segundo ele, tem como finalidade tratar de um ou mais problemas específicos levantados por empresas.

“A instituições lançam os desafios, que podem ser até mais de um, para que as equipes possam criar em um curto espaço de tempo, essas soluções”, explica Pedro.

Especialista em inovação, Pedro conta que no último final de semana realizou em Belo Horizonte o hackathon da NASA, considerado o maior do mundo, no qual envolveu 200 cidades, sendo 13 delas no Brasil. No caso, a Nasa lançou 20 desafios dentro de seis categorias em que as equipes decidiram em qual gostariam de concorrer. Sendo um dos organizadores do evento em BH, Pedro salienta que apenas na capital mineira foram 18 equipes, com 82 participantes e mais de 45 mentores em uma maratona mesmo. “No total, deram  48 horas direto. As pessoas viraram a noite muita a base do café e energético.  Mas no final saíram soluções bem legais”, lembra Pedro.

Para ele, pode se dizer que os hackathons são eventos que dão resultados, principalmente se for um desafio claro e bem direcionado.  Ele conta que no caso da NASA, por ser uma instituição gigantesca e mundial em que todos querem estar presentes, não houve uma premiação em dinheiro. No entanto, a maioria das empresas dá uma premiação financeira.

“Assim, os programadores se engajam e as empresas conseguem um direcionamento muito bom do trabalho com várias equipes para solucionar seus problemas”, acredita.