Todos estão no pátio da escola, pois é hora do recreio. De repente, o sol desaparece e… aparece um enorme dragão no céu. Toda a galera começa a correr e a se esconder, mas você está muito forte e levanta voo para combater o bicho!

Nossa!

Essa história escabrosa parece maluquice, né? Mas que nada! Qualquer um pode ter um sonho como esse! Afinal, ao sonharmos, tudo pode mesmo acontecer!

sonhos_unicornios

Também é interessante saber o que ocorre com o organismo quando a pessoa está em pleno sonho. Quem aceitou o desafio de desvendar esse mistério foram os cientistas Bruno Resende de Souza e Cleiton Aguiar, da Universidade Federal de Minas Gerais, a UFMG.

Eles explicam que os sonhos são fruto do intenso trabalho das células cerebrais – os neurônios –, que ficam ligadas umas às outras e registram todos os estímulos (internos ou externos) da nossa vida.

Se passamos por uma experiência divertida na praia ou no sítio, lá estão eles, a registrar a sensação de alegria; se tiramos nota baixa na prova, acompanham a tristeza e a frustração.

É, mas não é!

Quando essas redes (felizes ou infelizes) são ativadas, formam-se os circuitos neurais, conhecidos como “engramas”. E são esses danadinhos de nome engraçado que constroem as nossas memórias.

“O sonho acontece quando os circuitos neurais são reativados. Algumas vezes, a reativação pode ocorrer sem organização aparente, criando sonhos bizarros. Neles, estamos em casa, mas não é nosso lar. Algúem conversa com a mãe, que não é ela, mas… ela!”, explica.

Tudo indica que os sonhos tiveram muitas funções na evolução do homem, ao fortalecer os circuitos que formam nossas memórias, e, consequentemente, melhorar nossa capacidade de enfrentar desafios relacionados à sobrevivência.

Eis o motivo por que sonhamos com a mesma coisa quando estamos preocupados com algo. Isso, porém, não acontece a noite toda: sonharmos. “No total, o sono se divide em cinco fases. A última delas é o ‘REM”, ou Rapid Eye Movement [movimento rápido dos olhos], no qual sonhamos com frequência. Pesquisas recentes mostram, porém, que há sonhos formados em outras etapas”, conta Bruno Resende.

Reprodução / Wikimedia Commons / Graham Crumb/Imagicity.com

 

Reprodução / Wikimedia Commons / Graham Crumb/Imagicity.com

Pesadelo bom?

Sei que, agora, você deve se perguntar: “E os pesadelos? Por que acontecem?” Pois é! Os sonhos terríveis também são resultado do que a gente vive no dia a dia!

Mas, acreditem, eles  podem até nos ajudar! Bruno e Cleiton explicam que a formação de memórias ruins é importante para a sobrevivência, como forma de evitar situações perigosas no futuro.

Os sonhos são importantes para fortalecer as conexões entre os neurônios do circuito neural e as memórias. Já os pesadelos fortalecem as lembranças de situações ruins, para que, mais tarde, elas sejam evitadas.

Esse texto foi originalmente publicado na Revista Minas Faz Ciência Infantil 2017. Clique aqui e faça o download do PDF, é gratuito!