Luana Cruz
Luiza Lages

A iniciação científica desperta nos jovens as vocações para a pesquisa. Quando ingressa num projeto de ciência, logo na educação básica, o estudante é incentivado a articular o ensino com experiências práticas.

Do ponto de vista das instituições de ensino, fomentar o espírito científico favorece a sistematização e a institucionalização da pesquisa, a troca do conhecimento entre diferentes áreas da educação, além de tornar a instituição mais competitiva na construção do saber.

A partir de hoje, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) inicia a XXVII Semana da Iniciação Científica e a VIII Semana da Iniciação Científica Júnior em que estudantes da educação básica e graduação apresentam seus trabalhos de pesquisa.

Os jovens cientistas vão expor os trabalhos no saguão do CAD 3, no dia 17, esperando a interação de todo o público. É a oportunidade de conhecer ideias desenvolvidas em escolas públicas e privadas de Minas Gerais. As apresentações fazem parte da 27ª Semana do Conhecimento da UFMG, que terá ampla programação entre hoje e sexta-feira.

Passagem pela iniciação científica

Foto: Natália Conceição Costa/Arquivo pessoal

Natália Conceição da Costa, hoje com 23 anos, viveu os diferentes estágios da iniciação científica. A engenheira biomédica começou sua carreira acadêmica como bolsista de iniciação científica júnior, quando cursava o 1º ano do ensino médio, na Escola Estadual Professor Pedro Aleixo. Ela integrou um projeto de pesquisa sobre o câncer de mama, na universidade Fumec. “Era um estudo sobre os canais iônicos de sódio e potássio nas células primárias de câncer de mama. Nós começamos as atividades teoricamente, para aprender sobre o tema. Depois, passamos para a parte prática, em laboratório da UFMG conveniado com a Fumec”, conta.

O envolvimento com a pesquisa rendeu a Natália uma bolsa de estudos em uma escola particular de Belo Horizonte, onde concluiu o ensino médio. Depois, a estudante conseguiu uma bolsa de estudos para graduação. Na Fumec, cursou alguns períodos de Engenharia Civil até trocar para Engenharia Biomédica. Natália participou da Iniciação Científica durante todo seu percurso na universidade. Primeiro, como bolsista e, já no final do curso, com contribuições como voluntária.

Na iniciação científica, durante a graduação, estudou a utilização de graute produzido com resíduos da construção civil para o reforço de blocos cerâmicos. Esteve envolvida em todas as fases da pesquisa: nos estudos teóricos e seleção de referencial; ensaios laboratoriais; modulação numérica em computador; produção e publicação de artigo acadêmico. Mesmo com a mudança de curso, Natália permaneceu no grupo de pesquisa. “Para quem gosta de pesquisar, não é o tema que vai dar mais ou menos interesse. E eu gostava muito da pesquisa”, explica.

Em todo Brasil

O mês de outubro é sempre muito especial para a ciência no Brasil. Todo ano, há programações especiais na Semana Nacional da Ciência e Tecnologia (SNCT) que acontecem em centenas de instituições a fim de aproximar o universo científico de todo mundo. Em 2018, o período oficial é de 15 a 21 de outubro, mas algumas instituições vão estender atividades até o fim do mês. O tema que vai guiar essa grande festa da ciência é: “Saberes e práticas para reduzir desigualdades”.

É uma semana intensa de apresentações, oficinas, atividades culturais, cursos, feiras de ciências, experimentos didáticos, competições. Ao todo haverá 423 atividades em 1.311 municípios brasileiros, envolvendo a participação de 1.017 instituições. 

Minas Gerais é o estado campeão na programação com 12.194 eventos propostos.

Na UFMG, a Semana do Conhecimento já envolve toda a programação de Ciência e Tecnologia. Veja outras instituições de Minas:

CEFET-MG

A programação da 14ª Semana C&T está repleta de atividades que promovem o conhecimento em diferentes áreas. Em Belo Horizonte, a abertura do evento acontece no dia 15 de outubro, de 10h às 12h, no auditório do campus I. A solenidade de abertura nos campi do interior acontecerá dentro de cada unidade de acordo com a programação local. Acesse as programações pelos links:

PROGRAMAÇÃO DE ARAXÁ

PROGRAMAÇÃO DE BELO HORIZONTE

PROGRAMAÇÃO DE CONTAGEM

PROGRAMAÇÃO DE CURVELO

PROGRAMAÇÃO DE DIVINÓPOLIS

PROGRAMAÇÃO DE LEOPOLDINA

PROGRAMAÇÃO DE NEPOMUCENO

PROGRAMAÇÃO DE TIMÓTEO

PROGRAMAÇÃO DE VARGINHA

Fiocruz Minas

A Fiocruz Minas vai levar à Praça da Assembleia (Hall das Bandeiras), no Bairro Santo Agostinho, em BH, uma programação diversificada, que inclui exposições e debates. Durante todo o dia, haverá mostra científica, em que serão apresentados temas como febre amarela, dengue, zika, Chikungunya, doença de Chagas, malária, leishmaniose e xistose. Também serão abordados assuntos atuais, como sexualidade, políticas públicas e direito humanos em saúde e saneamento, ecologia, impressão 3 D, bioinformática, entre outros. Mais detalhes da programação aqui.

Uma das palestras da Fiocruz Minas debaterá os 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Leia aqui.