De que maneira, efetivamente, melhorar o mundo? Além disso, para além das teorias metafísicas e/ou religiosas, que tal reassumir o leme da razão e azeitar rumos com foco nas bússolas da ciência? Eis a proposta do pesquisador Steven Pinker, ao analisar o presente com base em vasta análise acadêmica, sustentada, curiosamente, em conceitos, princípios e possibilidades do Iluminismo, movimento cultural desenvolvido, na Inglaterra, na Holanda e na França, durante os séculos XVII e XVIII.

Natural de Montreal, Pinker é professor do Departamento de Psicologia da Universidade de Harvard e um dos mais importantes cientistas cognitivos da atualidade. Em O novo Iluminismo, o autor problematiza os discursos em torno do “desmoronamento” do mundo, assim como comenta questões relativas à obsolescência dos ideais de progresso. A argumentação se sustenta, em verdade, na tríade de pilares representadas pelos termos “racionalidade”, “ciência” e “humanismo”.

Neste sentido, sem se revelar ingênuo quanto aos graves problemas da contemporaneidade – da desigualdade às questões climáticas –, o pesquisador analisa gráficos e situações capazes de revelar pontos positivos da experiência humana na Terra, dos avanços da saúde às possibilidades de paz e prosperidade.

Nas três partes da obra – “Iluminismo”, “Progresso” e “Razão, ciência e humanismo”, Pinker aborda temáticas como “progressofobia”, saúde, sustento, riqueza, meio ambiente, segurança, felicidade e ameaças existenciais.

 Trecho

“Não devemos confundir a crença iluminista no progresso com a romântica crença oitocentista em forças, leis, dialéticas, lutas, desdobramentos, destinos, idades do homem e poderes evolucionários místicos que impeliriam a humanidade sempre para cima, em direção à utopia. Como indica o comentário de Kant sobre ‘aprimorar o conhecimento e reabilitar-se dos erros’, a crença iluminista era mais prosaica, uma combinação de razão e humanismo. Se nos mantivermos informados sobre como andam as nossas leis e maneiras, descobrirmos modos de melhorá-las, experimentarmos esses modos e conservarmos aqueles que aumentem o bem-estar das pessoas, poderemos gradualmente tornar o mundo um lugar melhor. A própria ciência evolui passo a passo nesse ciclo de teoria e experimentação, e seu avanço incessante, sobreposto a reveses e retrocessos localizados, nos mostra como o progresso é possível.”

FICHA TÉCNICA

Livro: O novo Iluminismo – Em defesa da razão, da ciência e do humanismo

Autor: Steven Pinker

Tradução: Laura Teixeira Motta e Pedro Maia Soares

Editora: Companhia das Letras

Páginas: 688

Ano: 2018