O Aedes aegypti pode ser infectado simultaneamente pelos vírus da Dengue e da Zika. A constatação é resultado de um estudo realizado pelo Grupo de Entomologia Médica da Fiocruz Minas, em parceria com a Fundação Medicina Tropical Heitor Vieira Dourado. A pesquisa também mostrou que o mosquito coinfectado transmite preferencialmente o vírus da Zika.

Os pesquisadores Paulo Pimenta e Nágila Secundino coordenaram o estudo. Em laboratório, infectaram com as duas doenças mosquitos resultantes de 2500 ovos coletados em Manaus (AM). Segundo Paulo Pimenta, os resultados foram obtidos também para indivíduos de Belo Horizonte. Conheça mais sobre a pesquisa no Ondas da Ciência!

 

Prevalência do vírus da Zika

Camundongos submetidos à picada dos mosquitos coinfectados tiveram uma taxa de contaminação pelo Zika de 100%.  O percentual contrasta com a taxa de transmissão da dengue, que foi de 20%. Assim, o estudo indica que o Aedes aegypti pode transmitir as duas doenças para um mesmo indivíduo. Uma das hipóteses é que a disponibilidade do vírus da Zika na saliva do vetor seja maior, aumentando as chances de ser injetado no hospedeiro. Outra possibilidade é que ele seja mais agressivo ao entrar no organismo do mosquito.

A coinfecção levanta a possibilidade de que o fenômeno possa ocorrer também com outros vírus, como o Chikungunya. A pesquisa é fruto da tese de doutorado de Bárbara Chaves, aluna do curso de pós-graduação da Universidade Estadual de Manaus e FMT-HVD, orientada pelos pesquisadores da Fiocruz Minas Paulo Pimenta e Nágila Secundino. O estudo foi publicado recentemente na revista Journal of Infectious Diseases, órgão oficial da Sociedade Americana de Doenças Infecciosas.