Com o objetivo de repensar tratamentos disponíveis para a difteria, pesquisa da UFMG identificou três proteínas que podem ser estudadas como alvos terapêuticos contra a difteria. O estudo deu origem à tese de doutorado do pesquisador Syed Babar Jamal Bacha, um trabalho de dois anos com ferramentas de bioinformática.

Através da produção de algoritmos e mineração de dados, foram produzidas simulações e milhares de testes em computador. O trabalhou levou aos três alvos finais para serem testados em bancada, encontrados na análise de componentes do genoma da bactéria Corynebacterium diphtheriae.

A bioinformática gera uma amostragem menor para teste, trazendo agilidade e menores custos para o processo, o que facilita a entrada desse tipo de pesquisa no mercado. Mas os estudos não podem parar no computador. A pesquisa ainda deve seguir passos essenciais, que começam com testes in vitro e chegam a testes em humanos. No Ondas da Ciência, Syed Jamal e o o professor da UFMG Vasco Azevedo, orientador da pesquisa, falam sobre o processo e os resultados obtidos.

Difteria: doença reemergente

A difteria passa hoje por uma onda de crescimento no mundo. A doença é causada pela toxina produzida pela bactéria Corynebacterium diphtheriae. A vacina DTP, que protege também contra tétano e coqueluche, atua contra a toxina. O surgimento de novas cepas sem o gene tox, que não produzem a toxina combatida pela vacina, somado a movimentos antivacina, têm levado ao crescente da doença em países como Estados Unidos e Japão e na Europa. Bactérias super-resistentes a medicamentos também geram problemas na ponta do tratamento da doença.

A difteria respiratória começa com dor de garganta, febre e formação de membrana cinzenta resistente, que pode comprometer a respiração e levar à morte. Há também ocorrência da difteria cutânea, que surge quando a toxina infecta a pele através de corte ou abrasão. O bacilo é transmitido por contágio direto com doentes ou portadores assintomáticos, pelas secreções nasais ou pela transmissão indireta, com objetos que tenham sido contaminados.