Muitas são as promessas feitas na passagem do ano. Porém, como todos já experimentamos, o difícil é cumpri-las ou mantê-las pelos próximos 365 dias.

O professor Clayton R. Cook, do Departamento de Psicologia Educational  do College of Education and Human Development na Universidade do Minnesota, estuda o assunto e dá dicas comportamentais para ajudar nesta empreitada.

O que é hábito

Primeiro é preciso compreender o que é um hábito. Segundo prof. Cook, em entrevista à Forbes,

“No campo da psicologia, os hábitos se referem a comportamentos ativados de forma automática, em resposta a sugestões incorporadas no ambiente”.

Alguns exemplos são o hábito de escovar os dentes pela manhã ou o ato de vestir rapidamente uma roupa de ginástica, logo após o toque do despertador.

A formação dos hábitos é um processo de mudança comportamental; substituição de um comportamento por outro. O tema vem sendo estudado há anos pelas ciências sociais, o que permitiu acúmulo razoável de conhecimento aplicável.

Como criar comportamentos novos e desejáveis?

Segundo prof. Cook, precisamos de pistas no ambiente para desencadear o novo comportamento desejado. Em geral, temos muitas pistas ambientais contribuindo para hábitos pouco saudáveis. A chave para mudar é

 “incorporar pistas que sinalizem ou induzam uma pessoa a exibir o novo comportamento  desejado”

Por exemplo, no caso do hábito de roer unhas, o caminho a seguir, seria:

  1. Primeiro você precisa tomar consciência de quando está propenso a roer suas unhas;
  2. Incorporar as pistas ambientais exatamente nos momentos em que está mais propício ao mau hábito;
  3. Configurar pistas que sinalizem ou acionem comportamentos alternativos, ou seja, novos hábitos a serem formados em substituição ao roer unhas.

Por exemplo, se você costuma roer unhas enquanto dirige, deixe uma mensagem visível perto do volante do tipo “você sabe o que tem sob as suas unhas?”. Esta será a pista ambiental para um outro comportamento, como mascar chicletes.

Por que é tão difícil manter um hábito mais saudável?

Hábitos resultam de repetição. Muitas pessoas se comprometem temporariamente com um novo comportamento, para formar um hábito mais saudável (por exemplo, dormir mais cedo), mas não o repetem o suficiente para incorporá-lo de forma permanente. A repetição, por um longo período, é fundamental para transformar um novo comportamento em hábito.

Dicas para automatizar um comportamento

A chave de tudo é a repetição.

Automaticidade significa fazer as coisas com mais facilidade, sem esforço, envolvendo menor carga cognitiva. Repetir é o caminho para automatizar.

Isso leva a uma nova questão: como manter  um comportamento e repeti-lo ao ponto de se tornar um hábito?

Tenha um parceiro responsável

Um caminho, segundo Dr. Cook, é envolver a pressão positiva de colegas em que você confie e respeite. Ao gerar o compromisso, as probabilidades de manter um comportamento positivo aumentam muito.

Por isso, muitas vezes, a busca de grupos de apoio ou até mesmo a criação de um blog público pode ser bastante positiva.

Recaída é parte do processo

É importante lembrar que

“recaída ou volta ao velho hábito é uma parte normal do processo de mudança de comportamento”

Importante é manter-se firme no comportamento suadável, apesar dos reveses. A falha deve ser vista não como uma derrota, mas uma parte normal da formação de um novo hábito. Escorregou, perdoe-se, entenda as causas e retome o trajeto inicial.

Metas podem ser prejudiciais

Segundo Dr. Cook, os estudos têm mostrado que simples estabelecimento de metas, em que os bons resultados são visualizados, pode não ser o melhor caminho. Muitas vezes, os resultados podem ser até piores do que o esperado.

O melhor, neste caso, é equilibrar objetivos com reconhecimento das barreiras a serem transpostas. Desenvolver estratégias para transpor obstáculos pode ser mais produtivo do que simplesmente imaginar bons resultados a serem alcançados ao final de um trajeto.