por Vivian Teixeira

No início do século XX, uma profissão era fundamental para a segurança e o bem-estar da população nas cidades: o acendedor de lamparinas! Ao final da tarde, esse profissional passava ponto a ponto, acendendo os ‘postes’ pelas ruas, que ainda não tinham sistema de rede elétrica interligado. Outro profissional importante desses tempos era o trabalhador da lenharia, loja conhecida por extrair e vender lenha para os moradores que precisavam de fogo para cozinhar, tomar banho e outras necessidades essenciais. Os tempos dessas funções ficaram para trás, mas diversas profissões ficam obsoletas de tempos em temos e a tecnologia é a grande impulsionadora desse processo.

whatsapp-image-2016-11-10-at-15-51-10Eduardo Thuler, CEO da Catho, falou sobre como a tecnologia está alterando as perspectivas do mercado de trabalho durante o 100 Open Startups, que é parte da programação da Finit – que acontece de 9 a 13 de novembro, no Expominas. Com base em suas experiências na Catho, Thuler expôs três grandes tendências do mercado de trabalho, que atingem em cheio o mercado de startups. A primeira tendência é o processo de ‘uberificação’ que o mercado está sofrendo, o termo vem do aplicativo Uber mesmo. As pessoas estão mais abertas a trabalhos temporais e sem vínculos formais, nos moldes do Uber, mas não apenas com esse tipo de serviço.

Essa percepção se fortalece porque mostra a relevância que os market places (local onde se faz comércio de bens ou serviços) estão ganhando. “Hoje, as pessoas desejam trabalhar com mais autonomia, isso é um grande valor para elas. Quando você pesquisa sobre um benefício importante para as pessoas no trabalho, elas citam esse”, conta Thuler. Ele fala de outros relacionados ao ambiente de trabalho: a atividade que vai ser feita, o tempo que se tem para fazer, a equipe com a qual se vai trabalhar e a técnica usada para desenvolver esse trabalho também são determinantes.

A segunda variável apresentada está relacionada ao propósito ligado ao trabalho. As pessoas estão buscando mais identificação com a atividade profissional, não estão trabalhando somente pela renda, como era muito frequente. Thuler usou como exemplo a indústria de cigarros, que garante apenas a renda para quem trabalha nela, mas não oferece nenhuma ligação realmente forte para quem está empregado pela área. “Cada vez mais a proposta de valor que a atividade profissional entrega ao empregado ganha relevância. Eles não querem apenas um salário, mas uma proposta de construção pessoal e profissional que está relacionada ao que é importante para o empregado”, explica.

De acordo com o empresário, na área de statups, essa percepção é muito frequente porque dificilmente você vai encontrar um empreendedor que desenvolveu um negócio com o qual não se identifica. Normalmente, as ideias surgem baseadas na vivência ou necessidades pessoais dos profissionais e ganham cada vez mais relevância na medida em que eles se dedicam a encontrar novas soluções. O CEO acredita que as atividades que exigem menor nível de especialização ou que oferecem tarefa mais repetitiva são aquelas que mais facilmente vão desaparecer. Em compensação, outras estão sendo criadas e os profissionais vão se apropriando delas aos poucos, é o caso do analista de mídias sociais, que não existia e hoje é uma necessidade.

A terceira dimensão do novo mercado de trabalho tem a ver com a adaptação para lidar com essas possibilidades. A educação é a chave para garantir a empregabilidade no futuro, pois os profissionais menos qualificados tendem a ficar fora do mercado. Ele cita algumas plataformas de ensino que têm grande destaque nessa área: Moocs, Edex, Coursera, Veduca, Khan Academy e Ted Talks. Cada um à sua maneira têm revolucionado a forma de capacitar no mundo. O palestrante ainda lembra a importância de instituições como MEC, OAB e Toefl, que validam e exercem um tipo de controle de qualidade em diversos tipos de cursos.

O fato é que muita gente pode ser vista como o acendedor de lamparinas de hoje, mas com muito mais oportunidades à frente, e o mercado de startups representa um caminho interessante e possível desse novo universo.