Nessa segunda-feira (03) será entregue o Prêmio de Pesquisa Básica “Marcos Luiz dos Mares Guia” edição 2016.

Criado pelo Governo do Estado, o prêmio é entregue pela FAPEMIG a pesquisadores mineiros que tenham se distinguido na condução de estudos e pesquisas básicas que contribuíram para o avanço do conhecimento científico e que apresentem potencial para subsidiar o desenvolvimento de soluções para problemas da humanidade.

Conheça um pouco dos quatro pesquisadores agraciados nas três categorias, nesse ano.

Prêmio Categoria Pesquisador

servletrecuperafoto

Prof. Elizabeth Fontes (foto: Currículo Lattes)

 

Elizabeth Pacheco Batista Fontes, do Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular, da Universidade Federal de Viçosa. Premiada pelo trabalho “Novos mecanismos de imunidade antiviral e respostas adaptativas a estresses fisiológicos em plantas”. Currículo Lattes.

“Receber esse prêmio significa muito pra mim. Além de ser um reconhecimento de quem tem investido no meu trabalho desde sempre – a FAPEMIG – é também um prêmio que leva o nome de um grande pesquisador mineiro. É uma honra recebê-lo”, conta a professora.

As pesquisas conduzidas pela professora Elizabeth têm se concentrado em revelar os sinais de estímulos do meio ambiente nas plantas, em especial as respostas moleculares relacionadas a estresses fisiológicos. Dessa forma, as pesquisas do programa liderado pela professora buscam descobrir os genes e os mecanismos bioquímicos associados a estresses nas plantas, como seca ou infecção por vírus.

Com a identificação desses aspectos moleculares, associados às respostas das plantas ao estresse, os pesquisadores podem potencializar essas respostas e desenvolver estratégias para aquisição de tolerância às questões adversas do meio ambiente. Assim, desenvolvem modificações in vitro para potencializar essas respostas ao estresse e minimizar o impacto negativo na produtividade das plantas cultivadas.

Prêmio Categoria Jovem Pesquisador

matheus

Prof. Matheus Puggina de Freitas (foto: arquivo pessoal)

 

Matheus Puggina de Freitas, pesquisador em Química Orgânica e Professor do Departamento de Química da Universidade Federal de Lavras. Premiado com o trabalho “Estrutura molecular e sua relação com propriedades químicas, físicas e biológicas”. Currículo Lattes.

Desde 2005, o professor Matheus se debruça sobre as estruturas moleculares de diversos compostos a fim de encontrar e entender a relação entre a modificação estrutural e a alteração nas suas propriedades químicas. Feliz com a premiação, Matheus encara esse momento como uma forma de reconhecimento do seu trabalho. “Também é uma motivação para que outros jovens pesquisadores invistam e continuem acreditando na ciência em prol de um bem comum. A FAPEMIG sempre apoiou meus projetos, desde 2006, quando submeti a primeira proposta; portanto, os resultados são frutos desse investimento”, conta.

Sua pesquisa é composta por duas frentes de trabalho. Na primeira, com aplicações práticas em medicamentos e agroquímica, ele pesquisa como pequenas moléculas se alteram com o tempo e com o meio, e como essa compreensão pode ser tomada como modelo para o entendimento do processo em moléculas maiores. Na segunda, dentro da vertente conhecida como QSPR (Quantitative Strucure-Property Relationships), o professor busca a proposição de um modelo matemático capaz de relacionar as alterações estruturais e das propriedades das moléculas.

De acordo com o pesquisador, “cada substância é composta por diversas moléculas que têm estruturas e propriedades específicas. Com a alteração dessa estrutura – pela adição, substituição ou transformação da estrutura tridimensional da molécula – algumas das suas propriedades, e das substâncias por ela compostas, também se alteram”, explica. Dessa forma, Matheus busca entender e prever quais alterações estruturais interferem em quais propriedades.

Menção honrosa categoria Jovem Pesquisador

danielle-souza

Prof. Danielle de Souza (foto: Academia Brasileira de Ciências)

 

Danielle da Glória de Souza, professora do departamento de Microbiologia, da Universidade Federal de Minas Gerais. Agraciada pelo trabalho “Estudo dos mecanismos imunes envolvidos na resposta do hospedeiro em modelos experimentais de dengue em camundongos”. Currículo Lattes.

“Receber esse prêmio é uma honra, especialmente dentre tantos pesquisadores excelentes e pesquisas diversas que são desenvolvidas no Estado. Vejo esse reconhecimento como uma pontinha de luz a qual nos agarramos como estímulo para continuar desenvolvendo pesquisas e fazendo ciência”, afirma a professora Danielle.

Sua pesquisa envolve o estudo dos vírus da dengue para identificar quais moléculas são importantes para a doença e quais agem na proteção do hospedeiro do vírus. “A grande dificuldade de estudar esse vírus é a falta de animais que sofram os mesmos sintomas que o homem, quando infectados pela dengue”, explica Danielle.

Dessa forma, o trabalho coordenado pela professora busca alterar os vários tipos de vírus para que seja possível mimetizar em camundongos os mesmos efeitos da doença em humanos. “Assim, conseguimos estudar esse vírus e entender melhor o seu funcionamento para que esse entendimento se desdobre em possíveis tratamentos, no futuro”, afirma. Estudando o tema desde 2006, a professora já foi capaz de isolar, adaptar e descrever 2 dos 4 tipos de vírus existentes. Essa pesquisa serve de base para a compreensão da Dengue e a busca para possíveis tratamentos e vacinas da doença.

Menção honrosa categoria Jovem Pesquisador

joseb

Prof. José Barbosa (foto: UFVJM)

 

José Barbosa dos Santos, professor do Departamento de Agronomia, da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). Agraciado com o trabalho “Impacto ambiental do uso de herbicidas e técnicas de descontaminação ambiental”. Currículo Lattes.

Inscrito por indicação dos colegas de trabalho, José Barbosa ficou igualmente honrado pela indicação e pela premiação. “Foi uma surpresa mesmo, o reconhecimento dos colegas e a premiação. Há tantos talentos no nosso Estado e receber um prêmio assim é, com certeza, um incentivo para continuar trabalhando”, afirma o professor.

O professor, junto a outros pesquisadores, participou do desenvolvimento de uma coletânea que reuniu 50 temas de relevância científica e tecnológica para o desenvolvimento global sustentável – publicado em 2014 pelo Institute for Globally Transformative Technologies Lawrence Berkeley National Lab (LIGTT). No documento, estão listados dois temas ligados diretamente ao Manejo de Plantas Daninhas e à questão do uso dos herbicidas no ambiente.

Um deles trata do desenvolvimento de herbicidas para controle de plantas daninhas acessíveis, ambientalmente seguros e com menor impacto negativo em outros organismos vivos. O segundo, trata do desenvolvimento de mecanismos de controle de plantas daninhas para o pequeno agricultor, visando diminuir a quantidade de herbicidas aplicados e o manejo ecológico dessas plantas.

Assim, as pesquisas descritas visam auxiliar na solução dos problemas apresentando valores de toxidade dos principais herbicidas existentes no mercado, representantes dos biomas nacionais, verificando também a seleção de espécies que sirvam de bioindicadoras ou fitorremediadoras.  “Vale ressaltar que, dentre as diversas pesquisas apresentadas, 6 ou 7 foram desenvolvidas exclusivamente com financiamento da FAPEMIG. Ou seja, a fundação faz parte dessa conquista pelo incentivo às pesquisas básicas no Estado”, conta.