Imagem em destaque: desenho da série “Lucky 13”, desenvolvida pela Indústria Europeia de Motocicletas (ACEM)

Um dispositivo preso à cintura do motociclista ou afixado à própria moto se transforma numa esfera inflável que envolve a vítima e amortece impactos, em caso de colisão. Alertas luminosos e sonoros são acionados, para efeito de sinalização. Passado o susto, com apenas um clique, o usuário desprende o cinturão, que se esvazia automaticamente.

Assista ao vídeo de apresentação do projeto.

Assim funciona, em resumo, o mecanismo em desenvolvimento pelo estudante de engenharia da PUC Minas Ezequiel Evaristo da Fonseca, apresentado na Mostra Inova Minas Fapemig, no Circuito Cultural Praça da Liberdade, no início de agosto.

O projeto

De acordo com a descrição do projeto, a cápsula esférica inflável, dividida em pelo menos quatro células, semelhantes a gomos, proporciona a continuidade dos movimentos após o choque, o que evita a parada brusca e consequentes danos ao condutor. “Eu percebi que precisava ter uma forma libertadora, no sentido de deixar o motociclista livre após o acidente, deixá-lo separado da moto”, conta Ezequiel. 

oi

Ezequiel Evaristo da Fonseca  Imagem: frame do vídeo de descrição 

O material a ser utilizado é o nylon, assim como nos airbags dos automóveis. A diferença é que precisaria ser mais resistente, sobretudo nas costuras, para não furar no contato com prováveis obstáculos. Em 2011, Ezequiel desenvolveu um primeiro protótipo, que ele mesmo caracteriza como “artesanal”, construído com sobras de materiais da construção civil. Agora, ele busca apoio financeiro da FAPEMIG, no Programa Inventiva, destinado a inventores independentes, para a construção de um novo protótipo que permita a simulação com bonecos.

O começo

A ideia nasceu após Ezequiel presenciar um acidente que terminou com a morte de dois motociclistas, na avenida Pedro I, na região norte de Belo Horizonte, em 2010. “O motivo principal é o alto número de motociclistas e ciclistas que perdem a vida ou ficam com lesões graves, além do alto custo com tratamento e afastamento do trabalho. Assim, eu vi a necessidade de um equipamento para auxiliar no amortecimento entre a matéria frágil – o homem – e os obstáculos rígidos, como veículos, construções e o meio natural”, descreve. Segundo o inventor, o item de segurança seria colocado no mesmo tempo gasto para por o capacete.

“A solução para reduzir mortes e lesões encontra-se na tecnologia, na educação dos motoristas e motociclistas, nas regras e leis de trânsito. Temos que busca a evolução de ambas”, ressalta Ezequiel.

Mais informações: www.sistemacipm.com