Uma pesquisa do neurocientista Scott Weems, da Universidade de Maryland, desvendou a ciência do humor e sua ligação com a inteligência. O jornalista Reinaldo José Lopes conversou com Weems para a Folha de S. Paulo e ouviu do pesquisador que o riso e o senso de humor são mecanismos que cérebros complexos (como o dos humanos) desenvolveram para resolver contradições e obter prazer.

Mas o humor funciona para entender e divulgar a ciência? 

Na Conferência Internacional sobre Comunicação Pública da Ciência que terminou na última quinta-feira, 8/5, em Salvador, um grupo de comunicadores discutiu o tema no Workshop  sobre Mídias Sociais para a Comunicação Científica. O humor foi apontado como uma das estratégias de ampliação da audiência para temas científicos no Facebook, por exemplo.

Páginas como Universo Racionalista e o projeto The Big Van Theory (que vai ganhar um post exclusivo aqui no Minas Faz Ciência, em breve!) exploram a linguagem humorística a fim de aproximar o conteúdo científico do público e ampliar a difusão.

Há outras iniciativas, como I fucking love science, que exploram o humor em imagens, memes e “piadas internas” que tratam da rotina de pesquisadores e das descobertas científicas com ironia e descontração. Personagens fictícios como A Diva Acadêmica seguem a mesma linha e acumulam milhares de seguidores (em alguns casos, milhões!).

Entretanto, algumas questões precisam ser ponderadas:

  • Qual o limite de ser engraçado com temas sérios e polêmicos como doenças e uso de animais em pesquisas, por exemplo?
  • Em que momentos o humor deve ser considerado como estratégia e quando deve ser evitado?
  • Perfis institucionais de Universidades e centros de pesquisa vinculados a governos devem explorar o humor como ferramente de divulgação científica ou evitar esta abordagem?
  • Pesquisadores estão abertos à possibilidade de suas pesquisas serem transformadas em piada? Querem ter sua imagem vinculada a uma gargalhada?

O tema é complexo e merece atenção não só de jornalistas e pesquisadores, mas também do público interessado em ciência e tecnologia que busca maneiras simples de compreender os complexos sistemas da produção científica. Quando o assunto é ciência, rir é o melhor remédio?

Ficou interessado no tema? O livro de Scott Weems, “Ha! The science of when we laugh and why” foi lançado pela Editora BasicBooks. Deixe também sua opinião nos comentários! 😉