Sustentabilidade a bordo


Publicado em 22/08/2012 às 17:04 | Por Diogo Brito

Com toque mineiro, projeto entre Brasil e EUA busca dar asas ao sonho de um mundo mais verde

Diminuir o gás carbônico na atmosfera. Esse é um dos temas de maior impacto nos debates sobre a preservação do meio ambiente. É quase impossível pensar neste assunto sem associá-lo a indústria dos transportes, sobretudo das aeronaves, que, até o presente, ainda não possui nenhuma alternativa ecologicamente correta aos combustíveis fósseis altamente poluentes e não renováveis usados hoje. A criação de soluções ecológicas nesse ramo é o assunto do 4th Workshop Sustainable Aviation Biofuels Brasil – SABB, que acontece nos dias 22 e 23 de agosto e teve início esta manhã, no auditório da Fiemg em Belo Horizonte.

O Workshop, que é parte de um programa que prevê a realização de oito reuniões ao longo do ano, é resultado de uma aliança entre a empresa brasileira de aeronáutica Embraer, a norte americana Boeing e as fundações de amparo à pesquisa de São Paulo e Minas Gerais – FAPESP e FAPEMIG. A cerimônia de abertura contou com a presença de autoridades nacionais e internacionais, como a secretária de desenvolvimento econômico de Minas Gerais, Dorothéa Werneck, o secretário adjunto da Secretaria de Agricultura de Minas Gerais, Paulo Afonso Romano, o professor da Faculdade de Engenharia Agrícola da Unicamp e coordenador adjunto de Programas Especiais da Fapesp, Luís Augusto Barbosa Cortez, e o convidado internacional Ross McFarlane, da Climate Solutions, uma organização sem fins lucrativos que trabalha com projetos relacionados à purificação da atmosfera, dentre outros.

O grupo debateu pontos importantes para que o projeto deixe os papéis e alce voo. Em meio à plateia, econtravam-se diversos especialistas, pesquisadores e integrantes da cadeia de produção de biocombustíveis, além de representantes do setor de aviação e do governo.

O evento estratégico tem como objetivo incorporar e firmar o estado de Minas Gerais como polo de pesquisas no campo da aeronáutica, como informou a Secretária de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais, Dorothéa Werneck: “Planejamento está no DNA de Minas, estamos sempre buscando novas tecnologias. Nosso desejo é ter o Estado cada dia mais participativo neste processo de salto para o futuro que o programa representa”, ressaltou.

Em sua apresentação, Ross McFarlane falou da necessidade atual da incorporação de uma nova geração de biocombustíveis para a aviação e seu impacto positivo no ambiente. Também relacionou as vantagens socioeconômicas de seu uso em comparação aos combustíveis fósseis, expôs propostas elaboradas para ampliar o programa ao nível mundial, bem como as estratégias para harmonizar as legislações de diferentes nações quanto à produção e uso do biocombustível. McFarlane levantou as possíveis barreiras encontradas no processo, mas afirmou veemente que “apesar do esforço envolvido, essa é uma etapa indispensável para a criação de um futuro ecologicamente sustentável para a aviação”.

Segundo Luiz Cortez, o ambiente de Minas Gerais é favorável ao progresso do projeto devido a sua grande expertise em captar recursos para apoio de pesquisas, atraindo investidores não só do Governo Federal, mas também de âmbito internacional. “Por essa razão, escolhemos a FAPEMIG e a Fiemg para se envolverem neste projeto”, finalizou. As duas instituições atuaram como parceiras locais na realização do evento na capital mineira.

 Investimento em Inovação

Durante sua apresentação, Dorothéa Werneck apresentou ao público o projeto de construção do Centro de Tecnologia e Capacitação Aeroespacial (CTCA), que terá sua sede em Lagoa Santa, região metropolitana de Belo Horizonte.  A iniciativa faz parte da proposta para criar um complexo aeroespacial no Estado, com polos em deferentes cidades. O complexo será formado por centros que deverão gerar inovação no segmento, além de abrir um novo nicho econômico em Minas. A Embraer já confirmou a criação de um escritório nas dependências do CTCA.

Tags

Artigos Relacionados