Já estamos em um novo ano e a maioria das pessoas escreve em um papel tudo aquilo que pretende colocar em prática para o ano    que começa. Sonhos, projetos inacabados e grandes ideias que serão reveladas apenas em tempos oportunos. Na ciência não será diferente. São projetos a serem escritos, pesquisas a serem continuadas, a expectativa de concluir o mestrado ou o doutorado e muitos pensamentos inovadores a vista.

Sem nos esquecer daqueles que estão começando a jornada, os jovens e futuros pensadores das nossas Minas Gerais, do Brasil e por que não do mundo, que também estão planejando a carreira que os espera pela frente.

Para você que vai começar sua jornada científica ou para você que já está na estrada há um longo tempo comece 2012, aberto para novas possibilidades, para a descoberta de caminhos diferentes em seus estudos e a investir em áreas do conhecimento que você nunca sequer imaginou que poderia gostar.

A figura de uma criança é interessante para refletirmos a respeito do que estou falando. As crianças são curiosas, questionadoras e possuem uma capacidade imaginativa que muitos perdem quando se tornam adultos. Lembro-me de um filme, nenhum pouco científico, que me fez pensar sobre estar disposto a abrir novas portas, a entrar em universos e lugares que não conhecemos, mas que podem proporcionar mudanças importantes e capazes de nos levar a novos conhecimentos que por sua vez podem abrir novas oportunidades.

O filme que estou falando é As Crônicas de Nárnia: o leão, a feiticeira e o guarda-roupa. A história começa de verdade a partir de uma decisão baseada em uma característica peculiar as crianças: a curiosidade. A personagem Lucy, uma menina com no máximo 7 anos, vê um grande guarda roupa isolado em uma grande sala, a “sala vazia”, intrigada ela resolve abrir a porta e em meio a diversos agasalhos se perde a ponto de cair em um novo lugar, totalmente diferente do mundo que ela estava acostumada a viver.

Ela não teve medo, dúvidas ou receio (crianças costumam ser mais corajosas que adultos), quis explorar o novo lugar e descobrir o que poderia oferecer a ela, uma menina pronta para novas aventuras. Desta cena em diante vamos ver que Lucy descobriu sozinha o mundo de Nárnia, mas não guardou para si a novidade compartilhando-a com seus irmãos. Juntos eles tiveram experiências diferentes e marcantes que mudaram a jornada de suas vidas para sempre. Eles nunca mais foram os mesmos e aprenderam a estar sempre abertos para novas oportunidades de ir a Nárnia e ter novas experiências.

Que em 2012 exista em você pesquisador a curiosidade, os questionamentos e a imaginação de uma criança e que  possa abrir mais portas e ter novas experiências científicas que mudem não só a sua vida, mas a de muita gente ao seu redor.